Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Netanyahu diz que não permitirá um estado palestino soberano

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu acena enquanto participa da conferência Kohelet Policy Forum em Jerusalém, em janeiro 8, 2020 [MENAHEM KAHANA / AFP via Getty Images]
O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu acena enquanto participa da conferência Kohelet Policy Forum em Jerusalém, em janeiro 8, 2020 [MENAHEM KAHANA / AFP via Getty Images]

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu disse na segunda-feira que se for reeleito não permitirá a criação de um Estado palestino totalmente soberano, informou o site de notícias Panet. Netanyahu enfatizou sua crença de que a paz será alcançada na região por meio de acordos de normalização com os países árabes.

De acordo com o Quds Net News, Netanyahu fez seus comentários à rede de notícias árabe em Israel em um esforço para angariar apoio eleitoral para seu Partido Likud entre os árabes israelenses. A quarta eleição geral de Israel em dois anos será realizada hoje.

“Não acho que tenhamos relações com os palestinos, mas temos relações com a Autoridade Palestina em relação à vacinação [covid-19]”, explicou o atual primeiro-ministro. “Temos que cooperar com isso de forma responsável porque moramos na mesma área”.

O ocupação israelense de 1967 sobre toda a Palestina [Sarwar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

O ocupação israelense de 1967 sobre toda a Palestina [Sarwar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

Os estados árabes querem fazer a paz com Israel com base na Iniciativa de Paz Árabe que estipula a criação de um estado palestino nas fronteiras de 1967 com Jerusalém Oriental como sua capital, uma solução para os refugiados palestinos e a normalização dos laços com Israel. Netanyahu disse que aceita a criação de um Estado palestino se o controle da segurança permanecer nas mãos de Israel. “Do contrário, teremos o Hamas [governando o estado].”

Ele também disse que a Al-Qaeda e o Irã estariam em um estado palestino se Israel não controlar a segurança. “Isso aconteceu em outros lugares onde Israel não tinha forte segurança.”

Sua intenção, acrescentou Netanyahu, não é “marginalizar” as questões palestinas. “Os palestinos se marginalizam devido a muitos problemas políticos internos dos quais não quero falar, mas estão relacionados a uma luta pelo poder.”

Para encerrar, Netanyahu disse ser o líder da normalização das relações entre os estados árabes e Israel, bem como da alegada coexistência entre árabes e judeus em Israel. “Isso fará uma mudança histórica nas relações entre judeus e árabes em geral”, afirmou. “Isso é muito claro.”

LEIA: A Nakba de Sheikh Jarrah: Como Israel usa a ‘lei’ para limpeza étnica de Jerusalém

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments