Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Argélia vai às urnas em junho: esta é uma vitória do Movimento Hirak?

Policiais bloqueiam a estrada enquanto manifestantes antigoverno argelinos tomam as ruas da capital Argel dentro das manifestações do movimento pró-democracia "Hirak", na Argélia, em 1 de março de 2021. [Mousaab Rouibi/Agência Anadolu]
Policiais bloqueiam a estrada enquanto manifestantes antigoverno argelinos tomam as ruas da capital Argel dentro das manifestações do movimento pró-democracia "Hirak", na Argélia, em 1 de março de 2021. [Mousaab Rouibi/Agência Anadolu]

Em um discurso televisionado em 11 de março, o presidente argelino, Abdelmadjid Tebboune, dissolveu a câmara baixa do parlamento, a Assembleia Nacional do Povo, desencadeando novas eleições legislativas. No entanto, ele não especificou uma data de eleição. A constituição do país determina que a votação deve ocorrer dentro de três meses após a dissolução da assembleia nacional. Esse prazo poderia ser prorrogado por mais três meses se, por qualquer motivo, as eleições não pudessem ser realizadas na primeira vez. Assim, se tudo correr conforme o planeado, as eleições deverão ocorrer em 12 de junho deste ano.

A atual assembleia foi eleita em 2017 para um mandato de cinco anos, terminando no ano que vem, mas o presidente quer uma votação anterior para acelerar as reformas que ele iniciou desde que assumiu o cargo há quase dois anos.

Ao mesmo tempo, o presidente Tebboune ordenou a libertação de cerca de 60 ativistas. A maioria foi presa entre fevereiro de 2019 e o ano passado, por organizar e participar do Movimento Hirak Rif – protestos em massa sem liderança que eclodiram em toda a Argélia em 22 de fevereiro de 2019, pedindo uma revisão completa do sistema político do país.

O discurso de Tebboune soou em tom conciliatório em uma tentativa de conquistar os ativistas Hirak ao anunciar uma remodelação do governo que viu cinco ministros perderem seus empregos por “baixo desempenho”. Ele também elogiou o movimento ao declarar “Hirak salvou a Argélia”, enviando uma mensagem anticorrupção, uma exigência fundamental de Hirak, mantendo o ministro da Justiça em seu cargo. O ministro Belkacem Bagmati é creditado pelo forte esforço anticorrupção contra a velha elite associada ao ex-presidente Abdelaziz Bouteflika.

Tebboune venceu as eleições presidenciais de 2019 prometendo uma nova assembleia nacional, lutando contra a corrupção, pela transparência e responsabilidade. Essas são algumas das principais demandas do Movimento Hirak.

LEIA: Legislação para revogar cidadania argelina quer sufocar vozes dissidentes

Como presidente, ele agora promete eleições “livres de corrupção” administradas pela autoridade eleitoral independente do país sem qualquer interferência, “nem mesmo do presidente”. Na tentativa de incentivar as gerações mais jovens a entrar na política, ele promete apoio financeiro para cobrir as despesas com a campanha eleitoral.

No início deste mês, a tão esperada lei eleitoral entrou em vigor, abrindo caminho para a juventude argelina contestar livre e facilmente as próximas eleições nacionais e limitar a influência do dinheiro político. O novo projeto de lei proibiu o discurso de ódio e todas as doações estrangeiras para campanhas políticas, em um esforço para erradicar a corrupção eleitoral. No entanto, o projeto de lei isentava as contribuições financeiras dos expatriados argelinos, desde que estivessem dentro de certos limites. Limita-se a contribuição individual a um máximo de DZD 400.000, menos de $ 3.000.

As eleições legislativas de 2017 foram marcadas por alegações de fraude permitida por indivíduos ricos, alguns dos quais acabaram na prisão devido à tentativa do presidente de limpar a elite política, eliminando a influência da velha guarda e ex-funcionários corruptos. Essas medidas de reforma ocorreram apenas um dia antes do segundo aniversário do Movimento Hirak – uma manobra clara para evitar protestos de rua.

Milhares de pessoas se reúnem para fazer uma manifestação no âmbito do segundo aniversário do movimento Hirak, em Argel, Argélia, em 19 de março de 2021. [Mousaab Rouibi/Agência Anadolu]

Milhares de pessoas se reúnem para fazer uma manifestação no âmbito do segundo aniversário do movimento Hirak, em Argel, Argélia, em 19 de março de 2021. [Mousaab Rouibi/Agência Anadolu]

Mas no dia seguinte, 22 de fevereiro, o aniversário foi comemorado com mais marchas de rua, que só haviam sido interrompidas no ano passado por causa da pandemia da covid-19 – outra crise que a Argélia enfrenta.

No início deste ano, Tebboune sancionou as novas emendas constitucionais que limitam os mandatos presidenciais a dois mandatos, enquanto reduz os poderes do presidente. Muito do poder executivo agora está nas mãos do primeiro-ministro, e não do presidente. Este é um grande afastamento do sistema de seis décadas do país, que deu ao presidente apoiado pelos militares poder quase absoluto sobre o executivo.

A participação nas próximas eleições legislativas, quando ocorrerem, será mais como um referendo sobre as políticas de Tebboune e sobre o próprio homem. Esse é um presidente que assumiu o cargo em uma eleição publicamente boicotada, em meio a alegações de trapaça em uma atmosfera política altamente carregada. A próxima votação para ele é uma dose extra bem-vinda de legitimidade política.

As eleições presidenciais de 2019 que Tebboune venceu tiveram uma participação historicamente baixa. Apenas 40% dos eleitores elegíveis se preocuparam em votar, graças ao boicote dos cidadãos. Estimou-se que apenas seis em cada dez eleitores elegíveis votaram. Naquela época, como hoje, o país estava nas garras do descontentamento público e de manifestações quase diárias. A principal demanda de Hirak sempre foi a reformulação completa de todo o sistema político, acabando com a velha elite político-militar que dominava a Argélia desde sua independência em 1962.

LEIA: Exército argelino força marroquinos a deixarem suas fazendas na fronteira

Tebboune, para as suas próprias eleições, prometeu mais oportunidades de trabalho para os jovens com menos de 30 anos, que representam mais da metade da população do país. O presidente passou grande parte de seu primeiro ano no cargo dentro e fora do hospital para tratamento de covid-19. Ele agora está tentando compensar o tempo perdido acelerando sua agenda.

Apesar da falta de liderança, de um plano político preciso e de uma visão clara, o Movimento Hirak conseguiu forçar uma mudança na política argelina, de outra forma estática. A constituição emendada, por exemplo, não poderia ter sido elaborada se não fosse pelo Movimento Hirak e o ímpeto que ele criou na política do país. A nova lei eleitoral e o forte impulso anticorrupção só poderiam ter sido possíveis devido à consistente rejeição do status quo por parte dos cidadãos.

Um dos grandes problemas que a Argélia enfrenta hoje são as altas taxas de desemprego, especialmente entre os jovens e os que procuram o primeiro emprego. No ano passado, o desemprego entre os jovens era estimado em cerca de 30 por cento. Esta é uma questão complicada de resolver, dada a atual desaceleração econômica por causa da pandemia.

Se o presidente Tebboune será visto como o salvador da Argélia ou apenas mais uma figura disfarçada apoiada pelos militares, ainda não se sabe nas próximas eleições. A próxima votação também testará suas habilidades políticas ao limite. Uma área-chave que certamente o preocupa são os números da economia e do desemprego.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArgéliaArtigoOpinião
Show Comments
Show Comments