Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Cientista sueco está à beira da morte após meses em confinamento solitário no Irã, dizem especialistas da ONU

Cartaz de um protesto em apoio a Ahmadreza Djalali, um acadêmico iraniano detido em Teerã, em 13 de fevereiro de 2017. [Dirk Waem/AFP/Getty Images]
Cartaz de um protesto em apoio a Ahmadreza Djalali, um acadêmico iraniano detido em Teerã, em 13 de fevereiro de 2017. [Dirk Waem/AFP/Getty Images]

O cientista sueco-iraniano Ahmadreza Djalali, condenado à morte no Irã sob a acusação de espionagem, está em estado crítico e perto da morte depois de meses de confinamento solitário prolongado, informaram à Reuters especialistas em direitos humanos da ONU hoje.

“A situação de Djalali é realmente horrível”, disseram os especialistas. Em um apelo pedindo que o Irã o liberte, eles disseram que ele havia sido mantido em confinamento solitário por mais de 100 dias, com os oficiais da prisão iluminando sua cela 24 horas por dia para impedi-lo de dormir.

“Problemas médicos o impediram de comer corretamente, resultando em uma dramática perda de peso”, disseram os especialistas, que incluem relatores especiais da ONU sobre a situação no Irã, execuções e detenções arbitrárias e tortura.

“Sua situação é tão difícil que ele tem dificuldade para falar. Estamos chocados e angustiados com os maus tratos ao Sr. Djalali.”

LEIA: Irã pode atender necessidades energéticas do Paquistão, afirma premiê

Uma ligação para a missão diplomática iraniana em Genebra em busca de informações não foi retornada imediatamente.

Djalali, médico e professor do Instituto Karolinska, na capital sueca, Estocolmo, foi preso no Irã em 2016 e posteriormente condenado por espionagem, acusado de fornecer informações a Israel para ajudá-lo a assassinar cientistas nucleares. A Suprema Corte do Irã em 2017 manteve a sentença de morte.

Os especialistas da ONU disseram que a condenação e a sentença de Djalali foram baseadas em uma confissão extraída sob tortura e após um julgamento injusto. Seu tratamento foi emblemático acerca do uso sistemático do Irã do confinamento solitário “para punir e pressionar os detidos, inclusive para fazer confissões forçadas”, disseram eles.

Ativistas de direitos humanos acusaram o Irã de prender vários cidadãos de dupla nacionalidade para tentar obter concessões de outros países. Teerã tem regularmente rejeitado as acusações e diz que seu sistema judicial é justo.

LEIA: Turista francês é preso no Irã acusado de espionagem, diz advogado

Categorias
Europa & RússiaIrãNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioSuíça
Show Comments
Show Comments