Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Menina síria de Ghouta é indicada ao Prêmio da Paz Infantil 2020

Garota síria Noor, conhecida por transmitir clipes nas redes sociais sobre os bombardeios do regime em Ghouta em 30 de março de 2018 [Zein Rifal/ AFP / Getty Images]
Garota síria Noor, conhecida por transmitir clipes nas redes sociais sobre os bombardeios do regime em Ghouta em 30 de março de 2018 [Zein Rifal/ AFP / Getty Images]

Uma menina síria que sobreviveu ao ataque químico de Ghouta foi indicada para o Prêmio Internacional das Crianças da Paz 2020. Identificada apenas como Enar, mas conhecida online como Noor, ela usou as redes sociais para aumentar a conscientização sobre as condições em Ghouta durante o longo cerco à cidade pelas forças do regime.

Noor tinha apenas 10 anos quando começou a postar online. Ela filmou e publicou reportagens em inglês e árabe detalhando o sofrimento das pessoas em Ghouta.

Sua indicação para o prêmio foi anunciada na segunda-feira, depois que a Rede Síria para os Direitos Humanos (SNHR) disse que a apresentação do trabalho de Noor foi aceita pelo comitê do prêmio.

“Enar, que tinha 10 anos quando iniciou suas reportagens, junto com sua irmã mais nova Alaa, então com 8 anos, filmou e exibiu um grande número de fotos e vídeos, nos quais ela falava não apenas do sofrimento e da privação que ela e sua família sofreram, mas também sobre aqueles aos quais a sociedade como um todo foi exposta em Eastern Ghouta ”, disse SNHR.

LEIA: Bombardeio de Idlib por Rússia e Síria representa crime de guerra, reitera HRW

Enar/Noor mudou-se com sua família de Damasco para Ghouta em março de 2011, no início do levante sírio. Ela começou a reportar diariamente sobre o bombardeio da área depois que as forças do regime impuseram um cerco à cidade em 2012.

Documentando o uso de bombas contra os moradores da cidade, ela também foi testemunha do ataque químico de 21 de agosto de 2013 em Ghouta Oriental. Esse ataque matou mais de 1.400 pessoas, incluindo pelo menos 99 crianças, muitas vezes por asfixia.

Nos vídeos, Enar exortou a ONU e a comunidade internacional a intervir para proteger civis e crianças inocentes em Ghouta e punir o regime sírio por crimes de guerra.

“Os vídeos [de Enar] não eram inteiramente desprovidos de sorrisos e expressões de alegria inocente da infância”, acrescentou o SNHR, embora ela estivesse relatando “detalhes que muitos adultos teriam se esforçado para documentar”.

Quase 150 crianças de 42 estados foram indicadas para o prestigioso prêmio. Em 2019, ele foi concedido à ativista ambiental Greta Thunberg e à ativista anti-violência camaronesa Divina Maloum.

LEIA: O Oriente Médio… e a ditadura das minorias

Categorias
NotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments