Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ódio antimuçulmano ganha proporções ‘epidêmicas’, diz especialista da ONU

As pessoas fazem as orações de sexta-feira na Grande Mesquita de Omer depois que as medidas de Covid-19 começaram a ser atenuadas gradualmente na cidade de Gaza, Gaza em 22 de janeiro de 2021. As orações de sexta-feira são permitidas nas mesquitas porque o toque de recolher continuou na cidade [ Ali Jadallah/Agência Anadolu]
As pessoas fazem as orações de sexta-feira na Grande Mesquita de Omer depois que as medidas de Covid-19 começaram a ser atenuadas gradualmente na cidade de Gaza, Gaza em 22 de janeiro de 2021. As orações de sexta-feira são permitidas nas mesquitas porque o toque de recolher continuou na cidade [ Ali Jadallah/Agência Anadolu]

Alguns estados responderam a atos horríveis supostamente executados em nome do Islã, adotando medidas que visam desproporcionalmente os muçulmanos, disse hoje o principal especialista da ONU em liberdade de religião.

Em um relatório ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, Ahmed Shaheed, o Relator Especial da ONU sobre liberdade de religião ou crença, referiu-se a representações negativas generalizadas do Islã, medo dos muçulmanos em geral e políticas de segurança e contraterrorismo.

Ele disse que isso tem servido para perpetuar, validar e normalizar a discriminação, hostilidade e violência contra indivíduos e comunidades muçulmanas.

A islamofobia ergue construções imaginárias em torno dos muçulmanos que são usadas para justificar a discriminação patrocinada pelo estado, hostilidade e violência, com graves consequências para o gozo dos direitos humanos, incluindo liberdade de religião ou crença,

disse Shaheed.

O especialista da ONU disse que após os ataques terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos em 2001 e “outros atos horríveis de terrorismo supostamente realizados em nome do Islã”, a suspeita institucional sobre muçulmanos e aqueles considerados muçulmanos aumentou para “proporções epidêmicas ”

LEIA: Paquistão denuncia projeto de lei islamofóbico da França

“Em tais climas de exclusão, medo e desconfiança, os muçulmanos relatam que muitas vezes sentem estigma, vergonha e uma sensação de que são ‘comunidades suspeitas’ que estão sendo forçadas a assumir responsabilidade coletiva pelas ações de uma pequena minoria”, ele disse, sem nomear países específicos.

O relatório cita pesquisas europeias em 2018 e 2019, mostrando que 37 por cento da população tinha opiniões desfavoráveis ​​aos muçulmanos.

Em 2017, cerca de 30% dos americanos pesquisados ​​viam os muçulmanos de forma negativa.

Shaheed disse que a discriminação islamofóbica tanto na esfera pública quanto na privada muitas vezes torna difícil para os muçulmanos praticar sua religião.

Restrições desproporcionais à capacidade dos muçulmanos de manifestar suas crenças, a securitização das comunidades religiosas, os limites ao acesso à cidadania, a exclusão socioeconômica e a estigmatização generalizada das comunidades muçulmanas estão entre as preocupações urgentes observadas no relatório.

Em estados de minoria muçulmana, ele acrescentou, os muçulmanos são frequentemente visados ​​com base em características “islâmicas” visíveis, como seus nomes, cor da pele e roupas, incluindo trajes religiosos como lenços de cabeça.

Shaheed também disse que a discriminação islamofóbica e hostilidade podem frequentemente mostrar onde “as mulheres muçulmanas podem enfrentar uma ‘pena tripla’ como mulheres, minorias étnicas e muçulmanas”.

Ele observou: “Os estereótipos e tropos nocivos sobre os muçulmanos e o islamismo são cronicamente reforçados pela grande mídia, políticos poderosos, influenciadores da cultura popular e do discurso acadêmico.”

O relatório enfatizou que as críticas ao Islã nunca devem ser confundidas com a islamofobia, acrescentando que a lei internacional dos direitos humanos protege os indivíduos, não as religiões.

“A crítica às idéias, líderes, símbolos ou práticas do Islã não é islamofóbica per se; a menos que seja acompanhada de ódio ou preconceito contra os muçulmanos em geral”, disse Shaheed.

“Eu encorajo fortemente os estados a tomarem todas as medidas necessárias para combater as formas diretas e indiretas de discriminação contra os muçulmanos e proibir qualquer defesa do ódio religioso que constitua incitação à violência”, acrescentou o especialista da ONU.

LEIA: França, islamofobia e violência

Categorias
NotíciaONUOrganizações Internacionais
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments