Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Acadêmicos apoiam professor sob ataque de ‘sionistas orgulhosos’

Professor britânico David Miller. [Captura de tela do Youtube]
Professor britânico David Miller. [Captura de tela do Youtube]

Duzentos acadêmicos da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos assinaram uma carta aberta em defesa do proeminente professor britânico David Miller, que está sob ataque por criticar o Estado sionista de Israel. Grupos pró-Israel que se autodenominam “sionistas orgulhosos” têm liderado uma campanha violenta para que o professor de Sociologia seja demitido de seu cargo na Universidade de Bristol.

Miller passou 15 anos rastreando os efeitos nefastos do lobby dos combustíveis fósseis, do lobby farmacêutico e do tabaco, bem como dos lobbies estaduais que promovem a islamofobia, como os de Israel e dos Emirados Árabes. No entanto, é o trabalho de Miller em expor o trabalho do lobby pró-Israel que irritou grupos como a Union of Jewish Students (UJS), que está liderando a campanha contra ele. O sindicato se descreve como uma organização sionista “orgulhosa”. Sua própria constituição compromete os membros do UJS a “assumir um compromisso duradouro” com Israel.

Em janeiro, Israel foi denunciado por um dos principais grupos de direitos humanos do país como um estado de “apartheid” que “promove e perpetua a supremacia judaica entre o Mar Mediterrâneo e o Rio Jordão”.

Os signatários da carta publicada na semana passada incluem o renomado linguista Noam Chomsky e a teórica de gênero Judith Butler. Ambos são judeus-americanos.

Linguista e ativista político norte-americano Noam Chomsky em Curitiba, Brasil, em 20 de setembro de 2018 [Heuler Andrey/ AFP/ Getty Images]

Linguista e ativista político norte-americano Noam Chomsky em Curitiba, Brasil, em 20 de setembro de 2018 [Heuler Andrey/ AFP/ Getty Images]

“O professor Miller é um acadêmico eminente. Ele é conhecido internacionalmente por expor o papel que atores poderosos e redes coordenadas e bem dotadas de recursos desempenham na manipulação e no gerenciamento de debates públicos, inclusive sobre racismo”, disse a carta aberta. “O impacto de sua pesquisa sobre a manipulação de narrativas por grupos de lobby foi crucial para aprofundar o conhecimento público e o discurso nessa área.”

Denunciando o ataque contra Miller como a “armaização” do antissemitismo, os signatários acrescentaram: “Opomo-nos ao antissemitismo, à islamofobia e a todas as formas de racismo. Também nos opomos a falsas alegações e à armamentação dos impulsos positivos do antirracismo para silenciar o debate antirracista. Fazemo-lo porque tal difamação tem pouco a ver com derrotar os danos causados ​​pelo racismo. Em vez disso, os esforços para direcionar, isolar e eliminar indivíduos dessa maneira têm como objetivo impedir a pesquisa, o ensino e o debate baseados em evidências”.

A carta advertia que o assédio prolongado a um acadêmico conceituado e as tentativas de desacreditar uma vida inteira de estudos não só causarão sofrimento significativo para o indivíduo, mas também terá um efeito pernicioso mais amplo na academia e no discurso público bem informado, criando “uma cultura de autocensura e medo” na comunidade acadêmica mais ampla.

LEIA: Estudantes britânicos pedem às universidades que não adotem uma definição controversa de antissemitismo

“Em vez de um debate livre e aberto, é criado um contexto intimidatório, e isso pode ser particularmente preocupante para aqueles que não ocupam cargos de antiguidade, influência ou emprego estável, especialmente em tempos de incerteza de trabalho e em um setor com altos de trabalhos eventuais. Como resultado, há a omissão da importância de bolsas de estudo, e isso restringe o direito do público e dos alunos de aprender e de se envolver em um debate cuidadoso.”

Os críticos advertiram que o ataque a Miller aponta para um perigoso aumento da cultura do cancelamento e o abuso de alegações de antissemitismo feitas por grupos antipalestinos. Escrevendo na Electronic Intifada, Miller disse que o lobby pró-Israel na Grã-Bretanha estava revivendo sua campanha de dois anos para que ele fosse demitido da Universidade de Bristol. Ele acredita que é sua exposição da “islamofobia sionista” é que está aterrorizando os “defensores fanáticos de Israel”.

Vários estudos expuseram o nexo entre grupos que defendem fortemente o estado de Israel e seu papel na disseminação da islamofobia. Um estudo do Center for American Progress, por exemplo, descobriu o que foi descrito como uma “sobreposição inegável” entre “sionismo de direita e islamofobia”.

LEIA: Grupo sionista ‘orgulhoso’ lidera campanha para demitir professor do Reino Unido por criticar Israel

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaReino Unido
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments