Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Serviço de inteligência de Israel lança repressão à indústria de armas por vendas à China

Tanques e veículos blindados israelenses s posicionados na fronteira bloqueada da Faixa de Gaza antes das manifestações de palestinos pelo 43º aniversário do Dia da Terra Palestina, em Sderot, Israel em 29 de março de 2019. [Faiz Abu Rmeleh/Agência Anadolu]
Tanques e veículos blindados israelenses s posicionados na fronteira bloqueada da Faixa de Gaza antes das manifestações de palestinos pelo 43º aniversário do Dia da Terra Palestina, em Sderot, Israel em 29 de março de 2019. [Faiz Abu Rmeleh/Agência Anadolu]

A inteligência israelense teria prendido pelo menos 20 traficantes de armas israelenses no mês passado em uma repressão encoberta à indústria privada, supostamente em esforços para conter a venda de armas à China para não arriscar as relações de Israel com os Estados Unidos.

A mídia israelense noticiou em 11 de fevereiro que o serviço de segurança do país, Shin Bet, anunciou que havia desbaratado uma quadrilha de contrabandistas de armas que vendia secretamente drones de ataque para a China. Muitos dos 20 indivíduos mencionados nos relatórios teriam servido anteriormente em posições no exército israelense, onde lidavam com desenvolvimento de armas e inteligência sensível.

Alguns dos outros teriam supostamente trabalhado para a Israel Aerospace Industries (IAI), o maior fabricante de aviação do país, e outras empresas israelenses do setorn onde os mísseis são fabricados.

LEIA: Ministros de Israel fecham acordo com os EUA para compra de armas no valor de $ 9 bilhões

Esses relatórios, que representam um dos escândalos mais recentes na indústria de armas israelense, em grande parte privada, estão sob censura militar que os proíbe de revelar mais informações sobre o caso. Os pontos de venda, portanto, têm se referido à localização das vendas de armas como um “país asiático”, em vez de reconhecer o país como sendo a China.

O fato de a China ser o país de destino foi revelado pelo escritor Richard Silverstein, que mantem seu blog baseado em Seattle chamado Tikun Olam, que expõe questões de segurança israelense, e que creditou a informação a uma fonte de segurança.

Silverstone disse à mídia londrina Middle East Eye que esta não é a primeira negociação polêmica da indústria israelense de armas com a China, mas uma das muitas que aparentemente comprometem seu relacionamento com Washington. “Houve várias vendas problemáticas semelhantes para a China no passado, muitas das quais irritaram os EUA. Israel joga um jogo perigoso de cultivar o comércio com a China enquanto tenta manter um relacionamento próximo com os EUA”, disse ele.

As armas em questão vendidas à China são os chamados “drones suicidas”, que são híbridos entre um drone e um míssil e que podem pairar horas antes de serem direcionados a um alvo para explodir. Embora sejam conhecidos por serem caros e imprecisos, prevê-se que estados como a China os desejem devido ao fato de que poderiam ser usados ​​em vez de enviar soldados para realizar missões suicidas ou bombardeios.

Um exemplo do uso desses drones suicidas foi durante o conflito entre o Azerbaijão e a Armênia sobre Nagorno-Karabakh no ano passado, quando os militares azerbaijanos os utilizaram contra as forças armênias após a compra dos drones em 2019.

Embora esses negócios ocorram com frequência, a venda ocorreu em um momento precário “no momento em que os EUA mudam as administrações, dando as boas-vindas a um presidente que está muito mais relutante em olhar para o outro lado, considerando que Israel está ultrapassando os limites do que seu antecessor”.

A raiz do escândalo vem principalmente do fato de que Tel Aviv não regulamenta grande parte de sua indústria de armas e permite que as empresas de defesa operem no setor privado, sem supervisão ou responsabilidade.

LEIA: Biden suspende venda de armas a Arábia Saudita e Emirados

Categorias
Ásia & AméricasChinaEstados UnidosNotícia
Show Comments
Show Comments