Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

HRW diz que chefe de brigada acusado de crimes de guerra na Líbia, ainda está foragido

Mahmoud Mustafa Busayf al-Werfalli fala na cidade de Benghazi, no leste da Líbia, em 26 de janeiro de 2017 [Abdullah Doma/ AFP via Getty Images]
Mahmoud Mustafa Busayf al-Werfalli fala na cidade de Benghazi, no leste da Líbia, em 26 de janeiro de 2017 [Abdullah Doma/ AFP via Getty Images]

A organização Human Rights Watch (HRW) criticou o fato de o general aposentado Khalifa Haftar não ter entregue o comandante da Brigada Al-Saiqa, coronel Mahmoud Al-Werfalli, apesar de seu envolvimento em crimes de guerra e do mandado de prisão emitido pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) contra ele, observando que, apesar de tudo isso, “ele ainda está foragido”.

A organização internacional de direitos humanos acrescentou em um relatório publicado em seu site oficial que Al-Werfalli é procurado por matar 33 pessoas em sete incidentes entre 2016 e 2017 e outro incidente em 2018, quando atirou em dez pessoas.

Al-Werfalli é procurado pelo TPI sob a acusação de cometer crimes de guerra e está na lista da Interpol de pessoas procuradas por realizar execuções sumárias.

HRW afirmou que “centenas de residentes da cidade de Tarhuna ainda estão desaparecidos depois que foram sequestrados pela milícia local Al-Kaniyat (comandada por Al-Werfalli) e desapareceram à força.”

LEIA: Fundador da Blackwater nega ter enviado mercenários para apoiar Haftar na Líbia

O relatório apontou que, apesar do estabelecimento de uma missão de investigação para investigar as violações cometidas pelas forças de Haftar pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU em 22 de junho, este órgão da ONU ainda não começou a trabalhar devido ao surto do coronavírus.

A organização citou o ICC dizendo que seu escritório enviou duas missões à Líbia em 2020, o que lhe permitiu coletar evidências importantes sobre Al-Werfalli e outros criminosos de guerra, sem fornecer detalhes sobre as investigações em andamento.

Em 15 de agosto de 2017, a Câmara de Pré-Julgamento I do TPI emitiu um mandado de prisão contra Al-Werfalli, comandante das forças de Haftar, por cometer crimes de guerra e executar mais de 30 pessoas.

Em 11 de dezembro, Washington incluiu Al-Werfalli em sua lista de sanções, depois que ele foi acusado de “ter se envolvido direta ou indiretamente em graves abusos dos direitos humanos”. Isso aconteceu três meses depois que a UE tomou medidas semelhantes.

Categorias
ÁfricaHRWLíbiaNotíciaOrganizações InternacionaisTPI
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments