Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A Palestina está em minha mente – por que o Hamas está participando das eleições?

Membros da Comissão Eleitoral Central Palestina penduram uma placa em árabe onde se lê “centro de informações e registro de eleitores” na cidade de Hebron, na Cisjordânia, em 10 de fevereiro de 2021. [Hazem Bader/AFP via Getty Images]
Membros da Comissão Eleitoral Central Palestina penduram uma placa em árabe onde se lê “centro de informações e registro de eleitores” na cidade de Hebron, na Cisjordânia, em 10 de fevereiro de 2021. [Hazem Bader/AFP via Getty Images]

É difícil para mim, e para qualquer pessoa que ama a Palestina e espera que ela retorne como uma nação islâmica do rio ao mar, ver o único movimento de resistência confiável nos territórios palestinos se jogando no esquecimento. O Hamas está perdendo anos de luta contra o inimigo israelense.

A insistência dos líderes do movimento em jogar junto um jogo eleitoral em que Mahmoud Abbas, o chefe da “autoridade de coordenação de segurança”, e o inimigo israelense se envolveram está, na verdade, jogando o movimento no desconhecido. Não pensaram nesse futuro desconhecido em que estão apostando na última carta que possuem? Não creio que qualquer pessoa sã no Hamas acredite que é provável que ganhe as eleições, como aconteceu em 2006, que lhes trouxe o bloqueio, levou à divisão do povo palestino e foi um dos principais motivos para repetidas ofensivas militares israelenses contra a Faixa de Gaza. Eles não aprenderam nada com tudo isso?

Eles dizem que seu objetivo é acabar com a divisão e trazer um consenso nacional, e ninguém pode se opor a isso. Todos nós queremos ver a unidade palestina e um rearranjo dos assuntos palestinos, a fim de confrontar as conspirações para liquidar a causa e aprovar o vergonhoso negócio do século.

Sei que o Hamas vê as eleições como um primeiro passo para o desenvolvimento do projeto nacional, enquanto o Fatah as vê como a última parada na reformulação do sistema político palestino como um todo, no qual a resistência não terá lugar. Por isso, é surpreendente ver a posição do Hamas e que sua participação nas eleições seja condenada.

LEIA: Fatah elogia decreto de Abbas sobre liberdades civis

O consenso nacional não é um fim em si mesmo, mas um meio de servir à causa palestina e unificar as facções e o povo em um projeto que enfrenta os projetos de liquidação. Não buscamos qualquer consenso antigo em que as duas partes concordem em tudo, com os líderes do Hamas e do Fatah aparecendo na televisão, de mãos dadas e sendo amigáveis.

As forças palestinas saíram das recentes negociações no Cairo com uma declaração conjunta confirmando seu compromisso com as eleições presidenciais, legislativas e para o conselho nacional. Eles enfatizaram o consenso por meio de uma foto de grupo, ombro a ombro, de mãos dadas. É este o consenso nacional com o qual eles concordaram?

O diretor do Hamas, Khalil al-Hayya (esq.), e o líder palestino do Hamas na Faixa de Gaza, Yahya Sinwar (centro), com os líderes dos grupos palestinos deixam a cidade no Portão da Fronteira de Rafah em Gaza para participar das negociações de diálogo nacional programadas para começar amanhã no Cairo, capital do Egito, em Rafah, Gaza, em 7 de fevereiro de 2021. [Ashraf Amra/Anadolu Agency]

O diretor do Hamas, Khalil al-Hayya (esq.), e o líder palestino do Hamas na Faixa de Gaza, Yahya Sinwar (centro), com os líderes dos grupos palestinos deixam a cidade no Portão da Fronteira de Rafah em Gaza para participar das negociações de diálogo nacional programadas para começar amanhã no Cairo, capital do Egito, em Rafah, Gaza, em 7 de fevereiro de 2021. [Ashraf Amra/Anadolu Agency]

Os palestinos precisam formular um projeto nacional abrangente, com o qual todos concordarão antes de ir às urnas, e que deve ser apresentado a todos os palestinos dentro e fora dos territórios ocupados. Afinal, existem mais de seis milhões de palestinos na diáspora espalhados pelos cinco continentes. Isso deve ser uma prioridade para eles. É isso que eles querem, não as eleições absurdas, cujos resultados já são conhecidos e que vão perpetuar o governo de Abbas até o fim, junto com seus colegas funcionários de Oslo.

O povo da Palestina precisa de uma nova entidade e novos líderes para restaurar o status da causa palestina como causa de libertação nacional. Eles podem ganhar legitimidade completa tomando uma decisão ousada em relação aos Acordos de Oslo e seus resultados, e administrando o projeto nacional em todas as suas manifestações.

As forças anunciaram as eleições como uma solução para a divisão, uma receita para o consenso nacional e um prelúdio para um confronto coletivo contra os projetos que visam liquidar a causa palestina. Isso não é verdade; eles são na verdade o oposto. As eleições serão um motivo para o aprofundamento da divisão e podem levar a uma guerra civil, se Abbas pedir ao Hamas que entregue suas armas ou tentar desarmá-lo à força, como ele tem ameaçado repetidamente.

Quanto à conversa geral sobre a ideia de um consenso nacional e uma lista eleitoral comum entre Fatah e Hamas, é um absurdo. Ninguém em sã consciência acredita nisso. E veja o que Saleh Al-Arouri, o vice-chefe do Bureau Político do Hamas, disse ao canal de notícias libanês Al-Mayadeen: “A ideia de o Hamas apoiar Mahmoud Abbas nas eleições presidenciais não está descartada e permanece entre as opções possíveis que o Hamas poderia considerar”.

Como diz o ditado, a pior desgraça é aquela que te faz rir. O Hamas precisa examinar a história de Abbas para decidir se pode ou não apoiá-lo nas eleições? Vou ajudar em sua pesquisa, com algumas de suas afirmações e outras posições registradas:

  • “O exército israelense está defendendo seu país.”
  • “A coordenação da segurança é sagrada.”
  • Atirar em qualquer um portando um míssil.”
  • “Quero progresso e paz para a juventude israelense.”
  • “Yitzhak Rabin, que Deus tenha misericórdia dele.”
  • “Eu não quero voltar para Safed.”
  • “Eu coopero com a CIA secreta e publicamente, mesmo sem o conhecimento do presidente Trump.”
  • Há um documento em um arquivo da Universidade de Cambridge afirmando que Abbas já foi um agente da KGB.
  • Documentos da Embaixada dos Estados Unidos em Teerã o incluíram em uma lista de agentes da CIA.
  • Documento de Yossi Beilin com ele, que foi o cerne dos Acordos de Oslo, do qual Abbas é o padrinho.
  • O papel de Abbas no bloqueio de Gaza e o incitamento contra ele em todo o mundo, até mesmo no Conselho de Segurança da ONU.
  • Abbas nunca visitou a casa de um mártir.
  • Abbas não realizou nenhuma ameaça contra Israel, nas cortes internacionais, por exemplo.
  • Esta é apenas a ponta do iceberg em termos dos crimes de Mahmoud Abbas contra a causa palestina. Este homem, cujas mãos estão manchadas com sangue palestino, é alguém com quem se ligar?

Além disso, Mohammed Dahlan, o padrinho da normalização árabe que mora em Abu Dhabi, sede das conspirações árabes, também colabora com Israel e cometeu crimes contra os palestinos. Surpreendentemente, o Hamas permitiu que seus principais seguidores retornassem à Faixa de Gaza para se preparar para as eleições.

Para a liderança do Hamas, eu digo acorde, onde está sua sabedoria? Anuncie sua recusa em concorrer às eleições até que a Palestina seja libertada, porque não pode haver eleições reais em um país sob ocupação.

LEIA: As próprias divisões do Fatah obscurecem a cisão com o Hamas

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments