Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

As próprias divisões do Fatah obscurecem a cisão com o Hamas

Palestinos mostram retratos do líder do Fatah, Marwan Barghouti, durante um protesto exigindo sua libertação da prisão israelense, em frente ao conselho legislativo palestino na cidade de Ramallah, na Cisjordânia, 15 de abril de 2015. [Shadi Hatem/ApaImages]
Palestinos mostram retratos do líder do Fatah, Marwan Barghouti, durante um protesto exigindo sua libertação da prisão israelense, em frente ao conselho legislativo palestino na cidade de Ramallah, na Cisjordânia, 15 de abril de 2015. [Shadi Hatem/ApaImages]

As divisões internas do Fatah estão ofuscando e desviando a atenção do conflito com o Hamas. Notícias, vazamentos e análises abordam as divisões do Fatah, enquanto a divisão Fatah-Hamas recebe menos atenção. Este último parece ter sido colocado em espera sob o pretexto de uma “trégua”, “gestão” e “contenção”, mas não reconciliação ou unidade.

Em suas declarações oficiais, o Fatah está unido e participará das eleições sob uma lista unificada, e Marwan Barghouti, o filho justo do movimento, não cantará em uma partitura diferente. Outras fontes de notícias mencionam um desacordo dentro do Fatah que se tornou uma disputa para conter o oficial mais proeminente dentro do movimento. Vários cenários estão sendo apresentados: o “cenário de Mandela” é uma referência à campanha de Barghouti na corrida para as eleições presidenciais de sua cela, enquanto Nelson Mandela negociava com o regime do apartheid sul-africano antes de sua libertação. Há também o “cenário Abdel Rahman Swar Al-Dahab” em referência ao general sudanês que supervisionou a transferência do poder de Nimeiri para um governo civil eleito. Se Barghouti se encaixa no cenário de Mandela, então o presidente Mahmoud Abbas se encaixa no outro.

Há muitos anos não lia uma pesquisa de opinião pública palestina confiável em que Barghouti não fosse descrito como o líder do Fatah mais capacitado, capaz de derrotar rivais em potencial em qualquer eleição democrática, livre e justa. Se o movimento quer permanecer no poder, levar a sério a renovação e trazer sangue mais jovem, então escolher Barghouti é a maneira mais rápida de conseguir isso.

Devo observar aqui que a combinação das presidências da Autoridade Palestina e da Organização para a Libertação da Palestina não deve ser vista como um dado do sistema político palestino. Abbas poderia permanecer por algum tempo à frente da OLP e ativar o “cenário Al-Daha””, deixando a liderança do PA para a decisão do eleitorado. Ele deve iniciar a campanha pela libertação de Barghouti e dar-lhe a oportunidade de participar das eleições. Por meio de tal campanha, toda a questão dos prisioneiros palestinos mantidos por Israel poderia ser divulgada. Os palestinos podem encontrar uma maneira de administrar seus assuntos se seu presidente eleito for mantido atrás das grades, e podem introduzir as emendas necessárias na lei para fazer isso. Muitas leis já foram editadas por decreto e o sistema não será prejudicado por mais uma.

LEIA: Diálogo entre grupos palestinos no Cairo deixou de considerar a ocupação

A separação das duas presidências também pode ser um atalho para a ativação da OLP, seja Abbas seja outra pessoa como seu chefe. Ninguém aceitará que o presidente do “único representante legítimo” do povo palestino seja alguém cujos movimento e eficácia não se estendam além de sua construção em Ramallah. Este é talvez um bônus positivo para a opção de separação.

A questão que mais preocupa nas notícias sobre a ampla ação dos reformadores do Fatah e aqueles que se opõem ou estão zangados com seus líderes e funcionários é a suposta tentativa de incluir o ex-chefe de segurança do movimento, Muhammad Dahlan, e seu grupo na ação. Mesmo que ele represente uma “cabeça de ponte” para a interferência regional prejudicial nos assuntos palestinos internos. Se esses rumores se confirmarem e os desenvolvimentos estiverem caminhando nessa direção, precisaremos escrever o obituário da reforma.

Ao ler as especulações sobre Marwan Barghouti e seus apoiadores, incluindo o Movimento de Reforma, me lembrei de um comentário que fiz uma vez ao falecido grande George Habash, enquanto ele enxugava a testa depois de fazer um famoso discurso no acampamento Khan Al-Sheikh no qual ele anunciou o estabelecimento da Frente de Salvação Nacional Palestina. A missão da Frente era reformar a OLP. Eu me perguntei como a OLP poderia ser reformada com ferramentas e aliados corruptos. O que me preocupa, e ao mesmo tempo zomba do processo, são os “vazamentos” que não descartam a possibilidade de Hamas e Fatah formarem uma aliança eleitoral, embora este último tenha descartado antes que fontes do Hamas o neguem em qualquer caso.

Este artigo foi publicado pela primeira vez em árabe em Addustour, em 15 de fevereiro de 2021.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments