Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando a Revolução Líbia

Os protestos da Primavera Árabe, em 2011, em todo o Oriente Médio, inspiraram os acontecimentos na Líbia

Em 2011, a Líbia, rica em petróleo, era governada por Muammar Gaddafi (1942-2011) há mais de 40 anos. Sua excentricidade mascarou uma ditadura cruel e o povo da Líbia se recusou a ser comprado por cortes nos preços dos alimentos básicos. Eles estavam fartos de expurgos, nepotismo e corrupção.

O que: Revolução Líbia de 2011 inspirada nos protestos da Primavera Árabe em todo o Oriente Médio

Onde: Líbia

Quando: 15 de fevereiro de 2011 – 23 de outubro de 2011

O que aconteceu?

Em 15 de fevereiro de 2011, inspirada e impulsionada pelas revoltas em outros países árabes, especialmente nos vizinhos Egito e Tunísia, a revolução popular da Líbia estourou em Benghazi. Centenas de pessoas se reuniram em frente a um prédio do governo na cidade após a prisão de um jovem advogado de direitos humanos, Fethi Tarbel. Os manifestantes pediram a renúncia de Gaddafi e a libertação dos presos políticos.

Os protestos se espalharam rapidamente para outras cidades, levando a confrontos crescentes entre as forças de segurança e rebeldes antigovernamentais. Centenas de pessoas foram mortas pelas forças de segurança em Benghazi, segundo relatos.

Embora os manifestantes tenham enfrentado munições letais disparadas pelas forças de Gaddafi, eles assumiram o controle de Benghazi em 20 de fevereiro. Outras cidades no leste da Líbia logo foram tomadas também. Chocados com a brutalidade da resposta do governo às manifestações, vários altos funcionários renunciaram à administração de Gaddafi.

LEIA: Uma conversa com o almirante italiano que espera levar paz à Líbia

O Conselho Nacional de Transição (NTC) foi formado como um grupo guarda-chuva para representar os rebeldes. Foi liderado por desertores do governo de Gaddafi e foi por um tempo o governo de fato da Líbia, ganhando reconhecimento nas capitais ocidentais e árabes.

No final de fevereiro, o Conselho de Segurança da ONU aprovou a Resolução 1970 para suspender a Líbia do Conselho de Direitos Humanos, impor sanções e solicitar uma investigação pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) sobre os crimes do regime ao atirar em civis. O Catar e os Emirados Árabes Unidos enviaram tropas para ajudar as forças mal treinadas do NTC. Em abril, um ataque aéreo da OTAN em Trípoli matou um dos filhos de Gaddafi e três de seus netos.

Os ataques aéreos da OTAN teriam sido cruciais para os rebeldes assumirem o controle do leste e se moverem em direção à capital no oeste da Líbia. Apoiados pela minoria perseguida de Amazigh, os rebeldes assumiram o controle de Trípoli em agosto de 2011.

Gaddafi evitou ser capturado até 20 de outubro, quando foi morto em Sirte. Ele tinha 68 anos.

O que aconteceu depois?

O Conselho Nacional de Transição enfrentou uma tarefa difícil. As instituições estatais da Líbia eram frágeis e havia muita corrupção no país. O culto à personalidade de Gaddafi, misturado com lealdades tribais e clientelismo, definiu a cultura política por quatro décadas.

Os ativos da Líbia foram descongelados pela ONU e o dinheiro foi levado fisicamente para o Banco Central da Líbia em Trípoli. Os preparativos foram feitos para a eleição do Congresso Nacional Geral (GNC) em 2012. Facções dentro do país, no entanto, estavam insatisfeitas com o GNC e outras divisões foram criadas. O general líbio-americano Khalifa Haftar liderou uma milícia para derrubar o GNC em fevereiro de 2014.

As eleições foram realizadas para uma nova Câmara dos Representantes, mas a participação foi muito baixa, algo em torno de 18 por cento. Como resultado, muitas pessoas se recusaram a aceitar o resultado e a legitimidade do corpo legislativo. Ataques e bombardeios ocorreram em várias cidades do país, levando a uma nova guerra civil. A Câmara dos Representantes mudou-se para a fortaleza de Haftar em Benghazi, enquanto os esforços para criar um governo de unidade nacional com base em Trípoli estavam em andamento.

O resultado foi a instalação do Governo de Acordo Nacional (GNA), reconhecido pela ONU como o governo legítimo da Líbia no final de 2015, antes de sua primeira reunião em Túnis em janeiro de 2016. O GNA se mudou para Trípoli em março de 2016.

Haftar se recusou a aceitar a autoridade da GNA e liderou uma guerra de milícia contra o governo reconhecido desde que foi formado. Ele continua apoiado pelos Emirados Árabes Unidos e Egito, bem como pela França. O GNA, por sua vez, foi apoiado pelo Catar e pela Turquia. Foi com a assistência turca que as forças da GNA puderam recuar e derrotar o “Exército Nacional da Líbia” de Haftar no ano passado. O país vive agora um difícil processo de negociações para pôr fim à guerra civil.

LEIA: A Turquia permanecerá na Líbia enquanto governo aliado achar necessário, diz porta-voz

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaLíbiaNeste diaOpiniãoVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments