Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel está preocupado com o perfil das autoridades judias no governo Biden

O presidente dos EUA, Joe Biden, na Carolina do Sul, EUA, em 29 de agosto de 2019. [Sean Rayford/Getty Images]
O presidente dos EUA, Joe Biden, na Carolina do Sul, EUA, em 29 de agosto de 2019. [Sean Rayford/Getty Images]

Imediatamente após a posse do presidente dos EUA, Joe Biden, Israel começou a “escrutinar” seus ministros e embaixadores. Começou por categorizar cada um como próximo ou hostil à entidade sionista, expressando preocupações sobre os membros judeus da administração dos Estados Unidos com posições opostas ao campo da direita israelita.

Ficou claro desde os primeiros dias do mandato de Biden que sua administração incluiria mais judeus em posições-chave do que nunca. Mas, desta vez, entre eles estarão reformistas e conservadores, ao contrário dos judeus do governo Donald Trump que pertenciam a movimentos religiosos.

Várias personalidades judias influentes da administração Biden estão no centro das atenções, como o secretário de Estado, Antony Blinken, a ministra das finanças, Janet Yellen, o secretário de segurança interna, Alejandro Mayorkas, e o chefe de gabinete da Casa Branca, Ron Klain. Isso levantou muitas preocupações em Israel sobre as vantagens de aumentar o número de judeus em cargos importantes dentro da nova administração dos Estados Unidos.

Voltando na história, o único judeu que ocupou o cargo de secretário de Estado há 50 anos e serviu a Israel mais do que qualquer outro judeu que já foi nomeado para outras administrações, é Henry Kissinger. Assim, é justo dizer que 75% dos judeus americanos ficaram tranquilos quando souberam que Biden seria o próximo presidente.

O novo ministro das Relações Exteriores, Blinken, chamou a atenção de Israel ao endossar a solução de dois estados e criticar fortemente a abordagem de Trump ao acordo nuclear com o Irã, considerando-o um fracasso total. Enquanto isso, a nomeação de William Burns como diretor da Agência Central de Inteligência (CIA) preocupou políticos e elites israelenses.

Círculos políticos e de segurança israelenses expressaram preocupação com as percepções de Burns sobre a centralidade da causa palestina na agenda do Oriente Médio e a Primavera Árabe de 2011 como uma promessa para alcançar a democracia, promover os direitos humanos e a coexistência pacífica, além de lançar as bases para o acordo nuclear de 2015 com o Irã. Por outro lado, Burns também desempenhou um papel fundamental na formação da operação militar na Líbia em 2011 e ajudou a mudar a opinião do ex-presidente Obama sobre o apoio ao aliado dos EUA, Hosni Mubarak.

LEIA: A Europa se redefinirá apesar da mudança política nos EUA

As reservas de Israel sobre a nomeação de Burns para este cargo altamente sensível aumentaram, já que este último confirmou sua determinação em se juntar novamente ao acordo nuclear com o Irã. Além disso, ele expressou fortes inclinações para encontrar uma maneira de chegar a um acordo nuclear atualizado. Isso levou os israelenses a dizerem em seus círculos privados que as posturas de Burns são irritantes, pois ele acredita que o acordo nuclear com o Irã significa que Teerã é um parceiro confiável nas negociações, coexistência pacífica e compartilhamento de influência com os Estados do Golfo, enquanto considera a retirada de Trump do acordo nuclear uma negligência grave da abordagem diplomática.

A nomeação de Robert Malley como enviado especial de Biden ao Irã foi uma má notícia para os israelenses, que ainda se lembram de que após o fracasso das negociações de Camp David com os palestinos no final de 2000, Malley culpou o primeiro-ministro Ehud Barak pelo revés e apoiou Yasser Arafat.

Malley exortou os palestinos e seus líderes a resolverem o status quo usando meios não violentos, pois acredita que o problema está nas práticas de Israel, e que a solução é resolver este “problema” acabando com o “frenesi de anexação”. Malley também defende a proteção dos palestinos, incluindo aqueles em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza, que está em uma condição humanitária crítica devido ao bloqueio israelense.

Enquanto isso, o próximo embaixador dos EUA em Israel ainda é desconhecido. Mesmo assim, muitos nomes circularam entre institutos de pesquisa, organizações judaicas e a mídia, principalmente o ex-embaixador dos EUA em Tel Aviv, Dan Shapiro, que mora em Israel, conhece a sociedade israelense e fala hebraico fluentemente.

O segundo candidato é Amos Hochstein, ex-diplomata que serviu no Departamento de Estado dos EUA e no Departamento de Recursos Energéticos como enviado especial e foi coordenador para assuntos internacionais de energia na Ucrânia. Sua missão consistia em gerenciar recursos de gás natural e ele ajudou Israel e Jordânia a chegarem a um acordo de fornecimento de gás em 2014. Hochstein nasceu em Israel, seus pais têm nacionalidade americana e ele serviu no exército israelense em meados da década de 1990.

LEIA: Israel inicia campanha internacional para impedir investigação do TPI

O terceiro candidato é o ex-congressista da Flórida Robert Wexler, que se aposentou do Congresso em 2010 e começou a trabalhar no setor privado. Ele dirige o Centro S. Daniel Abraham para a Paz no Oriente Médio, financiado pelo milionário judeu americano Daniel Abraham.

O nome de Dennis Ross também foi divulgado como um possível candidato para o cargo. No entanto, ele descartou a possibilidade, confirmando que o cargo não está em sua ordem do dia e que não pediu a ninguém que fizesse lobby em seu favor.

Rahm Emanuel, ex-prefeito de Chicago e ex-chefe de gabinete da Casa Branca durante a era Obama, foi outro nome citado como a pessoa certa para o cargo. No entanto, Emanuel recuou devido às relações tensas entre ele e Benjamin Netanyahu, já que havia anteriormente acusado o primeiro-ministro israelense de interferir nas eleições dos EUA.

David Schenker, que mediou as negociações entre Israel e Líbano para delinear fronteiras econômicas marítimas, também está na lista de candidatos ao cargo de embaixador dos EUA em Israel, junto com Tom Nides, vice-secretário de Estado de Administração durante o governo Bill Clinton, e Michael Adler, um amigo próximo de Israel.

As diferenças notáveis ​​entre os judeus indicados por Trump e aqueles designados por Biden devem ser evidentes para os israelenses. Os oficiais judeus nomeados por Trump eram poucos, mantinham posições religiosas e lidavam com os assuntos de Israel e do Oriente Médio, ao mesmo tempo que apoiavam a base evangélica do ex-presidente. Enquanto os judeus que trabalham com Biden são uma maioria relativa em sua administração, mas não parecem ter posições pró-Israel, tornando as autoridades de ocupação ainda mais ansiosas.

LEIA: Um estranho discurso de política externa do presidente dos EUA que não menciona Israel

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments