Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Canadenses protestam contra venda de armas à Arábia Saudita em disputa contínua sobre a “perpetuação” da guerra no Iêmen

Uma captura de tela de um vídeo divulgado pelo movimento Houthi do Iêmen supostamente mostra dois veículos blindados leves sauditas (LAVs) destruídos pelo grupo em uma ofensiva de agosto. Relatórios não verificados os identificam como LAVs canadenses.
Uma captura de tela de um vídeo divulgado pelo movimento Houthi do Iêmen supostamente mostra dois veículos blindados leves sauditas (LAVs) destruídos pelo grupo em uma ofensiva de agosto. Relatórios não verificados os identificam como LAVs canadenses.

O papel do Canadá na guerra liderada pelos sauditas no Iêmen gerou novos protestos na província de Ontário, quando membros do Mundo Além da Guerra e do Trabalho contra o Comércio de Armas bloquearam caminhões em frente a uma empresa de transporte que envia veículos blindados leves para a Arábia Saudita.

Os manifestantes bloquearam os caminhões da Paddock Transport International em Hamilton, uma cidade a cerca de 70 quilômetros a oeste de Toronto, por algumas horas, na segunda-feira (25), como parte de um dia global de ação contra a guerra em curso no Iêmen.

O grupo de protesto condenou a empresa em um comunicado à imprensa dizendo que ela está ajudando “a brutal guerra liderada pelos sauditas no Iêmen, que matou quase um quarto de milhão de pessoas”. Também está pedindo a Ottawa que acabe com as exportações de armas para a Arábia Saudita.

LEIA: Ex-oficial da inteligência saudita sob segurança reforçada no Canadá após novas ameaças

Simon Black, professor da Universidade de Brock e principal organizador do Labor Against the Arms Trade que participou do protesto, disse à Al Jazeera: “Estamos dizendo muito claramente a qualquer empresa que seja cúmplice na exportação de armas para a Arábia Saudita e, portanto, cúmplice na a guerra no Iêmen e a crise humanitária lá que haverá custos econômicos que enfrentará”.

O papel de Ottawa na campanha liderada pelos sauditas apoiada pelo Ocidente foi duramente criticado. Em setembro, um painel da ONU de especialistas independentes que monitoram o conflito e investigam possíveis crimes de guerra cometidos pelos combatentes nomeou publicamente o Canadá como um dos países que estava “perpetuando o conflito” no Iêmen ao vender armas à Arábia Saudita.

Cerca de 233 mil pessoas foram mortas na guerra até o momento, de acordo com as Nações Unidas, que alertou em dezembro que a janela para evitar a fome no Iêmen estava se estreitando, já que muitos enfrentam níveis recordes de insegurança alimentar aguda. Oitenta por cento dos iemenitas precisam de assistência humanitária, afirma a ONU.

Enquanto a venda de armas pelo Canadá à Arábia Saudita remonta ao governo do então primeiro-ministro Stephen Harper, o mais liberal Justin Trudeau não reverteu a política de seu antecessor.

Semanas após o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi por uma equipe de assassinos supostamente despachada pelo príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman, Trudeau disse que seu governo estava pronto para congelar o comércio de armas com Riad. Dois meses depois, disse que Ottawa estava procurando uma saída para o negócio.

No meio tempo em que o governo liberal congelou temporariamente as aprovações de novas licenças de exportação de armas para a Arábia Saudita enquanto se aguarda uma revisão, a suspensão foi levantada em abril de 2020, com o Canadá citando “melhorias significativas” no acordo, que garantiria milhares de empregos canadenses.

LEIA: Trump considera anistia ao príncipe saudita, acusado de tentar matar seu ex-chefe de espionagem

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasCanadáIêmenNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments