Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Trabalhadores filipinos são traficados dos Emirados para a Síria, abusados ​​e agredidos

Filipinos em Dubai, Reino Unido em 12 de abril de 2010 [Karim Sahib/ AFP / Getty Images]
Filipinos em Dubai, Reino Unido em 12 de abril de 2010 [Karim Sahib/ AFP / Getty Images]

Trabalhadores e empregados domésticas filipinas foram traficados dos Emirados Árabes Unidos para a Síria, onde foram vítimas de agressão, estupro, abuso e retenção de seus salários, revelou o Washington Post.

Os relatos e testemunhos de 17 mulheres filipinas, entrevistadas pelo jornal através do Facebook Messenger, revelam que dezenas de trabalhadores do país do sudeste asiático foram forçados a ser transferidos para a Síria após chegarem aos Emirados Árabes Unidos, onde inicialmente pretendiam trabalhar.

Elas chegaram aos Emirados com visto de turista de 30 dias com a intenção de trabalhar, mas as mulheres aparentemente foram presas pelas agências de recrutamento até que os vistos expirassem. Durante sua detenção, funcionários da agência tentaram constantemente convencê-los de que a Síria era um lugar alternativo seguro e viável para trabalhar, dizendo que a guerra civil havia acabado e que eles receberiam altos salários de cerca de US$ 500 por mês, bem como um dia de folga por semana.

Aqueles que se recusaram ou relutaram em trabalhar na Síria foram agredidos fisicamente e forçados a se mudar. Josephine Tawaging, 33, contou a experiência de ser conduzida ao aeroporto de Dubai em 2019 enquanto implorava para não ser enviada a Damasco. Ela disse que levou um tapa e disse: “Se você não for, nós a mataremos.” Ela supostamente permanece na Síria, incapaz de sair.

Uma vez na Síria, disse o Post, os trabalhadores são mantidos em acomodações comunais até serem exibidos aos clientes que os escolhem e paam entre US$ 8.000 e US $ 10.000. Uma mulher de 48 anos que foi vendida desta forma disse: “eu me senti uma prostituta porque todos nós ficamos na fila e os patrões escolhem quem eles querem.”

As mulheres trabalham como empregadas domésticas na Síria e são rotineiramente abusadas e forçadas a trabalhar 18 horas por dia, muitas vezes sem permissão para entrar em contato com suas famílias. Os salários prometidos geralmente não são pagos, tornando-as prisioneiros nas casas de seus empregadores.

A agência em Damasco que as acomodou e vendeu foi nomeada como Nobalaa Alsham. Por meio de seu advogado Ramdan Mohammad, descreveu os depoimentos como “absolutamente incorretos”.

De acordo com Mohammad, os trabalhadores consentem em trabalhar na Síria “por vídeo e fotos da agência de envio antes de viajar, e fazemos nossa parte para garantir patrocinadores, casas e pessoas que os tratem muito bem e com humanidade”. Ele afirmou que, “nós os verificamos e se eles recebem seu salário integral periodicamente e perguntamos sobre sua comunicação com suas famílias via Internet”.

LEIA: Filipinas investiga suicídio de empregada doméstica em abrigo da embaixada no Líbano

Embora algumas das mulheres entrevistadas ainda estejam com seus empregadores, outras se refugiaram na Embaixada das Filipinas em Damasco. Flordeliza Arejola, 32, é uma das 35 mulheres abrigadas pela embaixada. “Meu empregador me deu um tapa e enfiou minha cabeça na parede”, disse ela ao Post. “Eu fugi porque ele não me deu um salário por nove meses.”

A embaixada não é um lugar muito melhor para eles, alega-se. Há relatos de funcionários rígidos, câmaras frigoríficas em que são trancados durante a noite e punições severas, como a retenção do café da manhã por duas semanas por infrações menores.

Às vezes, seus telefones também são confiscados para evitar que suas condições de vida sejam conhecidas pelo mundo exterior. “Por quase cinco meses”, disse uma mulher, “não conseguimos nos comunicar com nossas famílias porque nossos telefones foram levados pelo embaixador. É como estar na prisão.” Além disso, dizem que funcionários da embaixada os pressionam a voltar para seus empregadores.

Quando o Washington Post questionou a embaixada sobre as acusações, o Departamento de Relações Exteriores das Filipinas disse que uma investigação foi iniciada. “Medidas são tomadas para garantir a segurança e o bem-estar das vítimas filipinas de tráfico”, disse o documento. O ministério alegou que tem tentado obter vistos de saída e pagar todas as multas pendentes impostas pelo regime sírio às mulheres. Desde dezembro, as autoridades começaram a repatriar alguns deles.

O Cônsul Geral das Filipinas em Dubai, Paul Raymund Cortes, disse ao jornal: “É claro que estamos muito preocupados com a situação deles”. Ele pediu aos trabalhadores migrantes que coordenem seus empregos no exterior com o governo e busquem sua ajuda se “estiverem sendo atraídos para trabalhar fora dos Emirados Árabes Unidos”.

LEIA: Governo das Filipinas suspende proibição de envio de mão de obra ao Kuwait

Categorias
Ásia & AméricasEmirados Árabes UnidosFilipinasNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments