Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Joe Biden é pressionado a uma ‘análise detalhada’ da política EUA-Bahrein

Presidente dos Estados Unidos Joe Biden em Wilmington, Delaware, 9 de novembro de 2020 [Angela Weiss/AFP/Getty Images]
Presidente dos Estados Unidos Joe Biden em Wilmington, Delaware, 9 de novembro de 2020 [Angela Weiss/AFP/Getty Images]

O Presidente dos Estados Unidos Joe Biden recebeu uma carta em apelo para avaliar “imediatamente” sua política sobre o Bahrein, diante das sucessivas violações de direitos humanos do estado do Golfo, incluindo tortura e detenção arbitrária contra presos políticos.

Em carta enviada no dia da posse do presidente democrata, Hussein Abdulla, diretor executivo da organização Americanos por Democracia e Direitos Humanos no Bahrein (ADHRB), exortou Biden a remover a 5ª Frota da Marinha do reino, diante de abusos humanitários.

Abdulla nasceu no Bahrein, mas teve a cidadania revogada por seu ativismo de direitos humanos. Porém, ainda lidera esforços de sua organização para garantir que as políticas americanas apoiem o movimento por democracia e direitos em seu país natal.

Em sua carta a Biden, Abdulla alerta que a “instabilidade política criada no Bahrein pela repressão sistemática, violenta e incessante contra seu povo é também uma ameaça direta aos interesses de segurança dos Estados Unidos na região do Golfo Persa e em âmbito global”.

LEIA: O que o Presidente Biden não fará no Oriente Médio

Ao mencionar relatórios de grupos de direitos humanos, como Anistia Internacional e Human Rights Watch (HRW), Abdulla apresentou detalhes de violações graves perpetradas pelo governo do Bahrein, ao descrevê-los como “irrefutáveis”.

Milhares de civis foram presos e mesmo executados no Bahrein, muitos dos quais prisioneiros políticos. Outras centenas tiveram sua cidadania barenita revogada.

Abdulla citou ainda um documento do próprio Departamento de Estado dos Estados Unidos sobre o nível de repressão na monarquia, com denúncias que incluem tortura, detenção arbitrária e restrições às liberdades de expressão e manifestação.

Ao acusar os Estados Unidos de “lavar as mãos” perante a repressão e violência, devido a “benefícios mútuos” – como a presença militar na região –, Abdulla alertou que a atual abordagem americana resulta em “riscos insustentáveis de segurança” para ambos os países.

LEIA: Trump concede condecoração militar ao Rei Hamad do Bahrein

“Os Estados Unidos devem desenvolver imediatamente novas políticas e programas focados em responsabilizar oficiais de governo do Bahrein por suas violações sistemáticas de direitos humanos contra o povo barenita”.

Biden deve conduzir uma “análise detalhada” da política internacional de Washington e “desenvolver e implementar uma série de programas voltados ao Bahrein, a fim de conquistar interesses sustentáveis americanos em termos de segurança e direitos humanos”.

Categorias
Ásia & AméricasBahreinEUANotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments