Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Síria e Israel entre Biden e Putin

Presidente sírio Bashar Al-Assad em Damasco, Síria em 11 de fevereiro de 2016 [Joseph Eid/ AFP / Getty Images]
Presidente sírio Bashar Al-Assad em Damasco, Síria em 11 de fevereiro de 2016 [Joseph Eid/ AFP / Getty Images]

Israel tem falado sobre mensagens da Síria, indicando o desejo de Damasco de normalizar as relações com o país. Enquanto isso, fontes sírias de Ancara falaram sobre um encontro patrocinado por Moscou na Base Aérea de Khmeimim, entre Ali Mamlouk e Gadi Eisenkot. Damasco negou notícias do encontro, reafirmou que as Colinas de Golan ainda estão ocupadas e confirmou sua posição de apoio ao direito dos palestinos à autodeterminação.

No entanto, a declaração de Sergey Lavrov na terça-feira e sua mensagem aos seus “colegas israelenses”, em que diz “se você tem fatos de que seu estado está enfrentando ameaças do território sírio, relate os fatos com urgência e tomaremos todas as medidas para neutralizar a ameaça”, levanta a questão de o que o Kremlin pensa sobre as relações sírio-israelenses. Pode até lançar mais luz sobre a dinâmica do relacionamento russo-iraniano na Síria e em torno dela.

Não é segredo que o tempo em que Moscou precisava dos militares iranianos e da presença da aliança na Síria já passou. O Kremlin havia anunciado anteriormente que o tempo para grandes batalhas na Síria acabou e que os destinos do norte, leste e oeste da Síria serão decididos na mesa de negociações, não nos campos de batalha. Também não é segredo que a presença israelense nos céus da Síria não teria continuado ao longo desse tempo e não teria atingido o nível de matar e demolir figuras e instalações iranianas (e aliadas), sem a Rússia fechando os olhos para isso – algo que ninguém nega.

LEIA: Incêndios devoram grandes áreas agrícolas da Síria

Além disso, as conversas e artigos de James Jeffrey resumindo a estratégia de Washington na Síria foram bem-vindos pelo Kremlin, em termos de confirmar a aceitação de Washington de deixar a Síria nas mãos da Rússia e apoiar a ideia da retirada das forças dos EUA, turcas e iranianas da Síria no âmbito do um acordo final. Jeffrey também observou que Washington ainda adota a posição de não pedir a saída de Bashar Al-Assad, mas, em vez disso, pede que ele retifique seu comportamento, afrouxando seus laços com o Irã e seus aliados. Diante de tudo isso, é lógico imaginar que Moscou possa ter pensado na ideia de abrir backchannels de comunicação entre Al-Assad e Israel, pois isso se alinha totalmente com a direção geral de sua política na região.

Moscou sempre rejeitou a ideia de transformar o sul da Síria em um segundo sul do Líbano e não aceitou a teoria de “resistência e confronto” e uma frente e eixo unificados. Apoia a integração da Síria na ação política que visa alcançar um acordo árabe-israelense e não quer que Damasco fique para trás nas considerações que foram retomadas com a abordagem do governo Biden na região. É lógico supor que Moscou conta com Damasco como sua porta de entrada para se engajar como parceiro no processo de paz no Oriente Médio.

No entanto, essa abordagem é bloqueada por uma série de grandes obstáculos, já que Damasco não pode prosseguir com a paz com Israel sem recuperar as Colinas de Golan, como disse Al-Assad. É uma questão muito embaraçosa e puxa a última cobertura para o regime. Al-Assad também deve romper a aliança com o Irã e seus aliados como um prelúdio para normalizar as relações com a comunidade internacional e retornar a ela. Al-Assad também será exigido pela União Europeia hoje, e Biden amanhã, para fazer mais avanços internos, como envolver a oposição restante no governo, abrir espaços públicos e afrouxar o controle sobre seus oponentes. Ele enfrentará desafios que podem ser minimizados teoricamente, mas são muito difíceis na prática – no entanto, não impossíveis em um futuro previsível.

A Rússia teme o “atoleiro econômico” na Síria, em meio à reconstrução e retorno dos refugiados. Está ciente de que a comunidade internacional não fornecerá a assistência necessária a Damasco sem que ela mude suas posições e alianças. Além disso, Al-Assad está ciente de que a política de “sufocamento econômico” não é menos perigosa do que a ameaça militar que enfrentou nos primeiros anos da crise. Acreditamos na narrativa dos “backchannels” e na troca de mensagens que ocorrem por meio desses canais sobre as condições e contra-condições para qualquer assentamento, seja sírio-sírio ou sírio-israelense?

Traduzido de Addustour, 20 de janeiro de 2021

LEIA: Assad busca legitimidade nas urnas, mas a Síria aguarda outros fatores

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoEuropa & RússiaIrãIsraelOpiniãoOriente MédioRússiaSíria
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments