Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel tem muito pouco a ver com a essência do judaísmo, diz o ex-presidente do Knesset

O deputado e ex-presidente do Knesset, Avraham Burg, faz um discurso sobre "a Europa, contra o antissemitismo por uma União da diversidade" em 19 de fevereiro de 2004 na sede da UE em Bruxelas. [Thierry Monasse/ AFP via Getty Images]
O deputado e ex-presidente do Knesset, Avraham Burg, faz um discurso sobre "a Europa, contra o antissemitismo por uma União da diversidade" em 19 de fevereiro de 2004 na sede da UE em Bruxelas. [Thierry Monasse/ AFP via Getty Images]

O atual Estado de Israel “tem muito pouco a ver com o Judaísmo histórico e a essência do Judaísmo”, disse o ex-presidente do parlamento israelense, o Knesset, ao Haaretz. Durante uma entrevista em podcast, Avraham Burg falou longamente sobre seus motivos para querer excluir seu registro como “judeu” no registro populacional compilado pelo Ministério do Interior.

No início deste mês, Burg deu um passo sem precedentes em resposta à Lei do Estado da Nação Judaica de 2018 de Israel. Os críticos insistem que a lei formalizou o apartheid no estado de ocupação. A mudança de Burg é incrível, visto que ele também serviu como presidente interino do país e foi chefe da Agência Judaica, uma das instituições mais importantes da história de Israel.

O entrevistador apresentou Burg como sendo da “aristocracia sionista”. O ex-Presidente falou sobre a citada lei, denunciando-a por ter “construído a discriminação”. Ele disse que Israel está promovendo um “novo judaísmo” que vai contra os valores do “judaísmo histórico” aos quais ele pertenceu.

Burg destacou seu conhecimento do hebraico e da Torá, e mencionou o importante papel que o judaísmo desempenha em sua vida e na de sua família, a fim de destacar sua oposição ao estado de Israel, que ele argumentou ter abandonado a tradição antiga. “O judaísmo é uma civilização, é uma cultura, é um modo de vida que ninguém pode me conceder e do qual ninguém pode me privar”, explicou. Ele diz estar claramente comprometido com sua fé, mas não está mais com o estado de ocupação.

LEIA: Líder da oposição de Israel alega intenção de formar um governo com os árabes

“O estado judeu é um oximoro”, disse Burg ao explicar que um estado é uma ferramenta nas mãos do povo e não pode ter uma essência judaica ou a essência de qualquer religião. “Comunidade e cultura podem ser judias”, mas assim que você dá a um estado uma essência judaica, uma essência religiosa, não é mais uma democracia que pertence ao seu povo. Torna-se uma fonte de autoridade. Estado “judeu e democrático é uma ilusão”, acrescentou. Nenhum estado, organização social ou empresa pode ter duas fontes opostas de autoridade: uma fonte humana democrática e outra divina teocrática. Ele sugeriu que Israel exibe as características deste último.

Burg ofereceu explicações igualmente convincentes para sua oposição à Lei do Estado da Nação Judaica. “Esta lei é a tirania da maioria ao invés de respeitar o judaísmo tradicional ou a filosofia política tradicional dos judeus em todo o lugar.” Citando o princípio de “diferente, mas igual, igual, mas diferente”, ele insistiu que a antiga tradição do judaísmo mantinha um equilíbrio entre uma identidade judaica única e o desejo de preservar a igualdade humana. Israel, afirmou ele, não conseguiu manter esse equilíbrio.

Questionado sobre se era inevitável que o sionismo político caísse no nacionalismo racista e tomasse o caminho errado, Burg disse que seu papel não era reescrever o passado, mas criar um futuro melhor. Ele deposita sua confiança na diáspora judaica e nos cidadãos árabes de Israel para resgatar o estado de seu curso atual.

Categorias
IsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments