Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Embaixada da China em Bagdá responde a acusações dos EUA de abusos de direitos humanos

Manifestantes carregam cartazes com mensagens contra as políticas do governo chinês para o povo uigur, em 20 de agosto de 2020 em Haia, Holanda [Nacho Calonge / Getty Images]
Manifestantes carregam cartazes com mensagens contra as políticas do governo chinês para o povo uigur, em 20 de agosto de 2020 em Haia, Holanda [Nacho Calonge / Getty Images]

A embaixada chinesa em Bagdá respondeu às acusações dos EUA de que a China está cometendo abusos de direitos humanos contra minorias religiosas na região de Xinjiang, acusando os EUA de “interferência nos assuntos internos da China”, informou a agência de notícias Shafaq.

A embaixada dos EUA em Bagdá emitiu uma declaração em 5 de janeiro acusando o Partido Comunista Chinês de violar os direitos das minorias religiosas em Xinjiang, habitada pela minoria uigur muçulmana.

A embaixada chinesa em Bagdá respondeu em um comunicado, culpando os EUA por “espalhar boatos, atacar a China e distorcer arbitrariamente sua reputação”.

“A declaração [dos EUA] é totalmente absurda, e a tentativa da embaixada dos EUA de agir como uma professora orgulhosa de direitos humanos é hilária. O lado chinês rejeita isso categoricamente”, diz o texto.

LEIA: Os EUA bloqueiam as importações de algodão de Xinjiang

A embaixada chinesa afirma que “a Região Autônoma Uigur de Xinjiang é parte integrante da China, e o cerne da questão de Xinjiang é a tentativa de um pequeno grupo de separatistas de separá-la da China através da violência”, explicando que esta tentativa “resultou na morte e ferimentos de muitos civis inocentes, incluindo muçulmanos.”

Além disso, a declaração chinesa indicava: “As forças do terror e da violência, como o Movimento Islâmico do Turquestão Oriental, estendem sua existência ao Quirguistão, Afeganistão, Iraque, Síria e outros países da Ásia Central e Oriente Médio”.

“Eles estão conspirando com o ISIS [Daesh] e a Al-Qaeda para cometer crimes terroristas hediondos contra os povos e países da região”, observando que o Movimento Islâmico do Turquestão Oriental foi adicionado à lista de organizações terroristas internacionais sob a Resolução 1267 do Conselho de Segurança da ONU .

A China assinalou que a essência da declaração dos EUA é “auto-explicativa de que é uma interferência aberta nos assuntos internos da China e que planta sementes de discórdia intencionalmente nas relações de cooperação amigável entre a China e os grandes países islâmicos, incluindo o Iraque.”

Desde 1949, a China controla a região do Turquestão Oriental, lar da minoria muçulmana uigur turca, denominando-a “Xinjiang”, que significa “nova fronteira”.

Em agosto de 2018, um Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas relatou que a China mantém cerca de um milhão de muçulmanos uigures em campos secretos no Turquestão Oriental.

No entanto, a China afirma que os centros descritos pela comunidade internacional como “campos de concentração” são “centros de treinamento vocacional” e têm como objetivo “purgar as mentes dos detidos de idéias extremistas”.

As estatísticas oficiais indicam que há 30 milhões de muçulmanos na China, incluindo 23 milhões de uigures, enquanto relatórios não oficiais estimam o número de muçulmanos em quase 100 milhões.

Durante anos, a questão dos muçulmanos uigures foi uma fonte de tensão entre a China e Washington. Meses atrás, a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou um projeto de resolução proibindo a importação de bens produzidos na região de Xinjiang, depois que Pequim supostamente usou trabalho forçado uigur nas cadeias de produção.

Categorias
Ásia & AméricasChinaEUAIraqueNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments