Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

UNRWA e refugiados palestinos são os próximos alvos de acordos de normalização com Israel

Palestinos reunidos em frente à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) fazem uma manifestação contra a redução de serviços, em Khan Yunis, Gaza, em 23 de dezembro de 2020. [Ashraf Amra/Agência Anadolu]
Palestinos reunidos em frente à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) fazem uma manifestação contra a redução de serviços, em Khan Yunis, Gaza, em 23 de dezembro de 2020. [Ashraf Amra/Agência Anadolu]

Quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixar o cargo em três semanas, ele terá lançado as bases para um novo rebaixamento da luta palestina pela liberdade. Não é de se admirar, talvez, que a Autoridade Palestina estivesse tão ansiosa para retomar a ilusão de “normal” em preparação para melhorar as relações com o próximo governo Biden.

Como resultado dos acordos de normalização alcançados entre Israel e Emirados Árabes Unidos, este último está seguindo os passos da América ao interromper suas doações à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA). Autoridades dos Emirados declararam que a intenção é que a UNRWA “desapareça gradualmente”. Se isso acontecer, é claro, o status dos refugiados palestinos também será história. A UNRWA e os refugiados palestinos, ao que parece, são os próximos alvos dos acordos de normalização com Israel.

Em 2019, o conselheiro sênior de Trump, Jared Kushner, expressou sua convicção de que os refugiados palestinos nunca retornarão às suas terras. Enquanto a Casa Branca promoveu essa mudança política que compromete o legítimo direito palestino de retorno, a base foi lançada pela Resolução 194 da ONU, que falha em defender a descolonização. A política de Trump, em particular a retirada de fundos da UNRWA e a campanha para alterar a definição de refugiado palestino a fim de reduzir seu número e, portanto, diluir a extensão da limpeza étnica sionista da Palestina, expôs a intenção internacional de descartar os direitos políticos do povo palestino. A UNRWA, apesar da indubitável necessidade de seu trabalho humanitário, tem contribuído para essa exploração.

LEIA: Resistência em um ano que não vai deixar saudades

Os acordos de normalização irão facilitar ainda mais a corrupção, e mais cedo. Enquanto a comunidade internacional elogia os acordos com Israel sob a premissa de suspensão da anexação, a ONU se recusa a reconhecer que Israel e os Emirados estabeleceram um curso adicional de impunidade colonialista na Palestina.

Decisão dos EUA de cortar financiamento da UNRWA. [Sabaaneh/MEMO]

Decisão dos EUA de cortar financiamento da UNRWA. [Sabaaneh/MEMO]

Em 2019, o mandato da UNRWA foi prorrogado até junho de 2023. Isso foi saudado como uma vitória no contexto do déficit de financiamento que atormentava a agência desde que os EUA retiraram seu apoio. No entanto, a existência da UNRWA também aponta para a recusa da comunidade internacional em levar a sério o direito de retorno palestino. A Resolução 194 da ONU é uma brecha conveniente para a existência de Israel e também desempenhou um papel em transformar o povo palestino em um projeto humanitário permanente e politizado. Tirar os direitos dos refugiados palestinos por meio da ajuda humanitária é uma manobra política que exige que a UNRWA compense a perda de suas terras. Os palestinos e a própria agência – esta última promovendo a neutralidade em benefício de Israel – são o pano de fundo para os acordos de normalização elogiados pela comunidade internacional, enquanto Israel segue para seu próximo passo, jogando os refugiados para os cães.

Israel terá facilidade para avançar e eliminar a representação palestina em nível internacional. A existência da UNRWA depende de doações voluntárias que podem diminuir ainda mais como resultado dos acordos de normalização.

Ainda assim, a AP rapidamente esqueceu sua oposição à normalização quando Joe Biden ganhou a eleição presidencial dos Estados Unidos. Como a Autoridade tentará enquadrar este último capítulo da história dos refugiados palestinos? Os refugiados são a chave para a libertação da Palestina. Israel reconhece esse fato e trabalha contra ele. Sobre isso, o mesmo pode ser dito da AP, mesmo antes de Trump se tornar o bode expiatório conveniente. Antes de apontar o dedo, a AP deve refletir um pouco por todas as vezes que falhou com os refugiados palestinos ao diluir seu direito de retorno em negociações de “paz” para o compromisso de dois Estados.

LEIA: Especialistas da ONU basicamente dizem ‘Israel não é uma democracia’

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBlogBlogs - PoliticsIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments