Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Tunisiano descobre sua origem palestina 30 anos após adoção

Ayman Bin Hadi, nascido Al-Derawi [Monitor do Oriente Médio]
Ayman Bin Hadi, nascido Al-Derawi [Monitor do Oriente Médio]

Em 2005, não muito depois da morte de sua mãe na Tunísia, Ayman se ajoelhou ao lado da cama dela, cercado por seus pertences e percebeu um pedaço de papel em cima de uma caixa de itens não selecionados. Dizia: “Segundo o representante da Organização para a Libertação da Palestina [OLP] na República Árabe Síria, – Gabinete de Damasco, – a criança Ayman Abd Al-Rahman Al-Derawi filho de Aisha, nascido em Beirute, Líbano, em 11- 6-1982, e seus pais estão entre os mártires que foram mortos durante a invasão sionista do Líbano. ”

Com uma mistura de emoções, Ayman correu para o pai em busca de respostas, mas sua linha de questionamento alarmou o pai, que ficou surpreso por seu filho ter descoberto que ele havia, de fato, sido adotado. Vendo a tristeza no rosto de seu pai, Ayman jurou não desenterrar o passado enquanto seu pai estivesse vivo.

Em 2016, quatro anos após a morte de seu pai, Ayman deixou a Tunísia e foi para o Líbano em busca de seus parentes.

Ayman Bin Hadi, nascido Al-Derawi, está agora com 38 anos. Ele foi criado por seus pais tunisianos – Abdel Qader Bin Hadi e Samira Bin Abd Al-Salam – quase desde o nascimento, depois que seus pais refugiados palestinos foram mortos durante os massacres de Sabra e Shatila em Beirute em 1982.

Ayman Bin Hadi, nascido em Al-Derawi [Monitor do Oriente Médio]

Ayman Bin Hadi, nascido em Al-Derawi [Monitor do Oriente Médio]

Uma vez no Líbano, ele visitou as valas comuns onde seus pais estão enterrados e, pela primeira vez, falou a eles. Disse que seus pais adotivos eram muito bondosos e generosos e nunca permitiram que ele questionasse se era filho deles, mas agora desejava ter conhecido e falado com sua mãe e seu pai biológicos.

Durante sua visita ao Líbano, Ayman conseguiu rastrear parentes que explicaram que ele sobreviveu ao massacre porque sua mãe o havia escondido em um contêiner, onde foi encontrado por um membro da Organização para a Libertação da Palestina que o levou junto com outras crianças órfãs na Síria. De acordo com os documentos, ele ficou lá apenas três meses antes de ser adotado e levado para Sousse, na Tunísia.

Descubra o Acropólio de Cartago na Tunísia

Ele também descobriu que tinha uma meia-irmã, que morava em Gaza, onde seu pai vivera anteriormente, era casado e com uma filha antes de se mudar para o Líbano. Devido ao cerco de Israel a Gaza, Ayman não teve como encontrar Huda, de 50 anos, que mora no campo de refugiados de Nuseirat com seus nove filhos.

A dupla espera realizar testes de DNA para confirmar suas relações de sangue.

“Sempre me senti tão apaixonado pela causa palestina e nostálgico pelo povo palestino”, diz Ayman, “mas nunca esperei ou pensei que fosse palestino”.

“Quando descobri minhas origens palestinas e, especialmente, que minhas raízes eram da Faixa de Gaza, fiquei dominado pelo orgulho e um sentimento de firmeza”, acrescenta.

Ayman recentemente recebeu seu passaporte palestino da Embaixada Palestina na Tunísia após entrar em contato com o escritório da Autoridade Palestina (AP) em Ramallah. “Eu alcancei um de meus objetivos, mas ainda não sei nada sobre a família de minha mãe assassinada, nem consegui encontrar minha única irmã em Gaza.”

“O massacre acabou e estamos pagando o preço enquanto o inimigo ainda está livre e age acima da lei.”

LEIA: Normalização com Israel não está na agenda, reitera Tunísia

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaBlogBlogs - CulturaIsraelLíbanoOpiniãoOriente MédioPalestinaTunísia
Show Comments
Show Comments