Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Descubra o Acropólio de Cartago na Tunísia

Hoje, Cartago é um subúrbio rico da capital tunisiana, Túnis, onde as ruínas da outrora poderosa cidade antiga atraem turistas há décadas.

Estas foram as palavras do estadista romano Catão, o Velho, que dizem ter repetido essa afirmação depois de cada um de seus discursos, instando os romanos a atacar a antiga civilização.

A proximidade de Cartago com Roma significava que o confronto entre as duas potências do Mediterrâneo Ocidental era inevitável.

A antiga cidade-estado da atual Tunísia, fundada por fenícios que vieram do sul do Líbano no primeiro milênio aC, estabeleceu-se como um centro comercial e econômico. Foi o local de nascimento de Hannibal Barca, nêmesis de Roma reconhecido por seu apetite por conquista e domínio e que quase derrubou o grande império. O general fez história como um dos maiores comandantes militares do mundo quando cruzou os Alpes cobertos de neve com seus elefantes de guerra para atacar os romanos.

Foi depois da terceira guerra púnica (latim para fenocêncio) e quase 100 anos de conflito com Roma que Cartago foi derrotada e incendiada, para nunca mais se levantar. A maioria dos vestígios da próspera civilização cartaginesa foi eliminada pelos romanos e a antiga cidade foi reconstruída por Júlio César de Roma e a transformou em uma próspera província romana no norte da África.

Hoje, Cartago é um subúrbio rico da capital tunisiana, Túnis, onde as ruínas da outrora poderosa cidade antiga atraem turistas há décadas.

A história colonial moderna da Tunísia, no entanto, é frequentemente ofuscada pelos vestígios de Cartago, que narram contos da história antiga contra as vistas cativantes da costa mediterrânea.

Situado na colina Byrsa, perto do museu de Cartago e das ruínas da antiga cidade – reconhecida como Patrimônio Mundial da UNESCO – está um edifício que símboliza a colonização francesa da Tunísia: O Acropolium.

Hussein Bey II, um governante da Tunísia durante o Protetorado francês, autorizou o cônsul-geral francês em 1830 a construir uma catedral no local da antiga Cartago como um tributo ao rei Luís IX, que morreu de peste em Cartago a caminho de Jerusalém em 1270 durante a oitava cruzada.

A Catedral de Saint Louis foi construída entre 1884 e 1890 sobre as ruínas de um antigo templo dedicado ao deus púnico da cura, Eshmun.

Projetada pelo arquiteto francês Abade Joseph Pougnet, a construção apresenta influências bizantinas e góticas com vitrais impressionantes, colunas de mármore, vigas de madeira decoradas e arabescos esculpidos. Os interiores artísticos e a arquitetura do edifício combinam traços de design franceses e tunisinos.

Saint Louis tornou-se a igreja do cardeal Lavigerie, chefe das arquidioceses de Argel e Cartago, dando primazia à catedral na África. Conhecida como ‘O Acropolium’ desde 1993, a igreja católica romana não é mais usada para cultos. O Acropolium hoje faz parte da cena cultural tunisina contemporânea e serve como um local para eventos públicos e concertos de música clássica, já que Cartago atrai artistas de todo o mundo todos os anos para um dos mais renomados eventos culturais árabes e africanos; o Festival Internacional de Cartago.

A decisão de conceder aos governantes coloniais franceses a permissão para erigir a Catedral, agora redundante, foi alvo de críticas à época.

Outras escavações e a preservação do local poderiam ter sido de fato um investimento mais valioso e em harmonia com as joias arqueológicas circundantes de Cartago. Mas, além de seus belos interiores, há definitivamente algo para ver da história da Tunísia durante a época colonial francesa.

Descubra Baalbek, no Líbano

Categorias
ÁfricaDestinos: Descubra o Oriente MédioTunísiaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments