Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Conceito de antissemitismo foi convertido em arma, alerta redator da IHRA

Protesto contra a facciosa definição sobre antissemitismo da Aliança Internacional de Memória do Holocausto, em Londres, Reino Unido, 4 de setembro de 2018 [Jack Taylor/Getty Images]
Protesto contra a facciosa definição sobre antissemitismo da Aliança Internacional de Memória do Holocausto, em Londres, Reino Unido, 4 de setembro de 2018 [Jack Taylor/Getty Images]

Kenneth Stern, redator responsável por liderar a elaboração do conceito de antissemitismo promovido pela Aliança Internacional de Memória do Holocausto (IHRA), aconselhou o futuro governo dos Estados Unidos de Joe Biden a não adotá-la.

Em artigo para o jornal Times of Israel, Stern denunciou grupos de lobby sionista por converter a definição de antissemitismo em arma, como tentativa de silenciar críticos.

“Grupos judaicos estão utilizando o conceito como arma para dizer que expressões antissionistas são inerentemente antissemitas e devem ser suprimidas”, afirmou Stern, advogado e diretor do Centro de Bard para o Estudo do Ódio.

O artigo é resposta a uma carta da Federação Judaica da América do Norte à comissão de transição administrativa de Biden, em apelo para que o futuro presidente adote a definição da IHRA como prioridade máxima, ao assumir o cargo, em 20 de janeiro.

“Pessoas razoáveis podem divergir sobre quando o antissemitismo de fato reflete-se no antissionismo”, argumentou Stern. “Mas é esta a maneira – dado rótulo do governo em conjugar antissionismo e antissemitismo – a forma prioritária com a qual queremos pedir à nova gestão que combata o problema?”

Ao traçar a história da definição adotada pela IHRA, em 2005, Stern destacou que o texto foi elaborado para “conceder diretrizes a coletores de dados europeus sobre o que incluir ou excluir em denúncias de antissemitismo, através das fronteiras, ao longo do tempo”.

LEIA: Israel entre imunidade e fragilidade

Stern sugeriu que o “fascínio” dos sionistas pela definição da IHRA é evidente em exemplos específicos relacionados a críticas ao Estado de Israel. Sete dos onze exemplos ilustrativos do artigo associam críticas legítimas a políticas sionistas com o racismo antijudaico.

Ao argumentar que o presente uso do conceito prejudica efetivamente a luta contra o antissemitismo, Stern ofereceu exemplos de esforços antirracistas de outras comunidades.

“Imagina se o Black Lives Matter [Vidas Negras Importam] declarasse que o passo mais importante da nova administração para remediar o racismo sistêmico é adotar uma definição de racismo sob o seguinte termo: oposição a ações afirmativas”.

Segundo Stern, a insistência neste princípio de exclusão levaria o debate a concentrar-se em determinar limites à liberdade de expressão, ao invés de combater o racismo estrutural.

A todos que queiram de fato combater o antissemitismo, Stern recomendou ainda que deixem de tratar a definição da IHRA como “simples símbolo ou bandeira”.

Ao contrário, argumentou: “Devemos pedir a convocação de uma força-tarefa da Casa Branca sobre ódio – incluindo antissemitismo –, ao reunir pensadores e organizações de destaque, para mapear formas de reduzir a demonização do outro – incluindo judeus”.

Trata-se da segunda intervenção de Stern para alertar contra a adoção arbitrária do conceito proposto pela IHRA.

Em dezembro, o advogado americano escreveu um artigo, publicado pelo jornal britânico The Guardian, no qual advertiu que grupos pró-Israel utilizam sistematicamente acusações de antissemitismo como “arma” contra opositores políticos.

O repúdio ao documento da IHRA tomou corpo nos últimos meses, sobretudo, como reação aos esforços de grupos sionistas para impor o controverso código como norma de conduta em instituições acadêmicas por todo o mundo.

Na última semana, o professor David Feldman, proeminente especialista sobre antissemitismo, orientou o governo britânico a não adotar o conceito da IHRA em suas universidades.

LEIA: BDS condena acusações de antissemitismo de Washington

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments