Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel entre imunidade e fragilidade

texto alt
Um soldado israelense senta-se em um tanque do Exército Merkava durante uma incursão militar nas colinas de Golan, anexadas por Israel em 12 de fevereiro de 2019 [JALAA MAREY / AFP / Getty Images]

Apenas alguns dias separaram o reconhecimento oficial americano da autoridade israelense sobre as colinas sírias de Golan e o foguete que destruiu uma casa em Tel Aviv. No primeiro incidente, Israel se achou o rei indiscutível da região, apoiado pelo poder divino dos EUA, que poderia legitimar o que quisesse, mesmo que o mundo inteiro o rejeitasse. O segundo incidente, ao contrário, reflete o nível de fragilidade em Israel. Depois de mais de meio século de ocupação da terra de outro povo, oprimindo-o e ignorando totalmente a lei e a comunidade internacional, Israel não é capaz de se proteger contra foguetes primitivos. Agora, aqueles que costumavam aproveitar o belo sol do Mediterrâneo na praia de Tel Aviv, percebem que não estão na Califórnia, nem na Riviera Francesa, mas no Oriente Médio. Um Oriente Médio que eles criaram; cheio de fogo e sangue.

Os israelenses descobrirão, em breve, que você não pode desestabilizar toda a região e ficar de fora, assistindo todos se massacrando uns aos outros, sem, mais dia menos dia, se envolver. Sim, eles conseguiram, com a ajuda da América, reestruturar toda a região de acordo com suas preferências e colocar seus homens no topo. No entanto, eles são vistos como a mente dominante que reprimiu a Primavera Árabe e as aspirações de milhões de jovens árabes por liberdade e dignidade.

Há apenas alguns meses atrás, muitos acreditavam que a Primavera Árabe havia acabado, e que o mundo árabe voltaria a um longo período de sono, mas estavam errados. Uma nova onda pode estar ganhando força no Sudão e na Argélia. Milhões de jovens de diferentes linhas de pensamento tomaram as ruas, exigindo mudanças políticas em seus países, algo muito semelhante ao início da Primavera Árabe em 2011. Israel está em inimizade com o Irã e suas relações com a Turquia estão continuamente se deteriorando, enquanto mantém boas relações com o Egito. Mas Israel sabe como o regime atual no Egito chegou ao poder, e como isso pode mudar da noite para o dia, como aconteceu anteriormente. A situação na Arábia Saudita não é melhor. A área inteira está de fato na boca de um vulcão, que pode de repente irromper . E quando isso acontecer, poucos estarão do lado de Tel Aviv.

A situação interna em Israel também não ajuda. Nunca antes a sociedade israelense esteve tão dividida entre religiosos e seculares, como está hoje. Lembre-se que, na tradição judaica, foi a divisão interna que derrubou os reinos da Judéia e Samaria, embora, ao contrário de hoje, eles não fossem colonizadores europeus, mas povos originários.

Essa fragilidade também se reflete na discussão iniciada pela congressista americana, Ilhan Omar, e pelos eventos que se seguiram. Embora os políticos pró-Israel e a mídia americana tenham conseguido criar uma grande discussão sobre as questões postas por Ilhan sobre o potencial impacto israelense na política americana, enquanto havia uma campanha organizada para difamar a congressista, até por líderes de seu próprio partido – o Partido Democrata – , muitos correram para apoiá-la. Isso inclui muitos judeus americanos que parecem acreditar que Israel não deva receber imunidade divina, questionando-a, e que criticar Israel não é o anti-semitismo. Na verdade, muitos acreditam que anti-semitismo é associar todo judeu a Israel ou ao sionismo.

É uma coincidência que nenhum candidato presidencial democrata participe este ano da conferência da AIPAC, o principal lobby pró-israelense? Isto ocorre depois de um raro incidente na história da organização, que indiretamente criticou Netanyahu por se aliar ao Otzma Yehudit (Poder Judaico), um partido de extrema direita israelense, visto pelo AIPAC, como um partido extremista. É verdade que Netanyahu conseguiu conquistar Donald Trump e Mike Pence, mas parece ter perdido a maioria dos judeus americanos, que geralmente não endossam a política evangélica de direita.

Michael Ben Ari, o líder do Partido do Poder Judeu em 23 de dezembro de 2010 [GALI TIBBON / AFP / Getty Images]

Através da anexação gradual da terra e da construção de assentamentos judaicos ilegais na Cisjordânia ocupada, a liderança israelense, desde 1967, trabalhou sistemicamente para tornar a solução de dois estados praticamente impossível. Eles usaram as negociações de paz com os palestinos para paralisar e ganhar mais tempo para transformar a Cisjordânia em uma parte integral e inseparável de Israel. Fizeram isso, sem considerar que os palestinos superam em número os judeus israelenses. Agora temos um país com leis diferentes para pessoas diferentes, estradas diferentes, cidades diferentes. Tornou-se a personificação perfeita do estado do Apartheid. Para esfregar mais sal na ferida, o parlamento israelense endossou a “Lei Básica”, que define Israel como um estado para os judeus.

O BDS e seu movimento de boicote representam um pesadelo para Israel. Os israelenses podem ver as muitas semelhanças entre seu estado e o Estado sul-africano do apartheid , que sucumbiu à sua ferida sob os golpes do movimento BDS, e temem um fim semelhante. Eles lançaram uma guerra global contra o movimento de boicote. No entanto, é muito difícil desacreditar um movimento pacífico unido por muitos intelectuais, incluindo judeus, especialmente quando você não tem um histórico. Um relatório após o outro condena Israel por usar força injustificada contra manifestantes pacíficos, e a narrativa israelense sobre ser alvo de terroristas por ser a única democracia na região não convence mais.

Israel é como um castelo feito de vidro. Conseguiu obter a mais avançada tecnologia militar, o apoio da única superpotência do planeta e instalar líderes vizinhos pró-Israel, mas sofre de muitas doenças crônicas que podem, de repente, tripudiar de sua ilusão.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments