Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Irmandade Muçulmana não descarta mudanças no Egito, com Biden nos EUA

Presidente eleito dos EUA, Joe Biden em Delaware, EUA em 19 de novembro de 2020 [Jim Watson/ AFP / Getty Images]
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden em Delaware, EUA em 19 de novembro de 2020 [Jim Watson/ AFP / Getty Images]

O vice-líder supremo da Irmandade Muçulmana, Ibrahim Munir, disse no sábado que não descarta mudanças no Egito e na região quando o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, se mudar para a Casa Branca.

Em declarações à Al Jazeera Mubasher, Munir disse que os problemas econômicos e a covid-19 “podem pressionar por uma mudança”, mas isso precisa de “calma e rearranjo”, acrescentando que a questão dos direitos humanos no Egito pode ser um terceiro fator para a mudança potencial.

Ele não espera que Biden coloque pressão “imediata” sobre o presidente egípcio Abdel Fattah Al-Sisi para libertar prisioneiros porque o presidente eleito “precisa de tempo para se preparar” para tal movimento, explicou Munir, apontando para reuniões realizadas com autoridades americanas.

Munir espera que a política de Biden para o Egito tenha mudado desde a época em que ele serviu como vice-presidente de Barack Obama. “Anos se passaram e o Departamento de Estado e a administração dos Estados Unidos revisaram o que está acontecendo no Egito”, disse Munir.

Embora a visão dos EUA sobre a Irmandade Muçulmana “tenha mudado”, Munir disse: “Não vamos oferecer nada à América, mas vamos apresentar o Islã político ao mundo, que o verá diferente do que foi dito sobre ele.”

Enquanto isso, o líder da Irmandade Muçulmana pediu aos Estados Unidos que “retornem aos valores da democracia e respeitem a vontade das nações”.

LEIA: Egito arquiva “temporariamente” caso de estudante italiano assassinado

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEUANotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments