Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito arquiva “temporariamente” caso de estudante italiano assassinado

Participante de uma procissão de tochas organizada pela Anistia Internacional para marcar o segundo aniversário da morte de Giulio Regeni, em 25 de janeiro de 2018, em Roma, Itália. [Stefano Montesi/Corbis/Getty Images]
Participante de uma procissão de tochas organizada pela Anistia Internacional para marcar o segundo aniversário da morte de Giulio Regeni, em 25 de janeiro de 2018, em Roma, Itália. [Stefano Montesi/Corbis/Getty Images]

Um comunicado conjunto dos promotores egípcios e italianos, enviado à imprensa na segunda-feira(30), anunciou o encerramento “temporário” das investigações sobre o assassinato do estudante italiano Giulio Regeni, que foi encontrado morto em Cairo em 2016, sendo que suspeitas italianas recaem sobre agentes do estado egípcio.

A promotoria do Egito alega dispor de provas de que uma gangue criminosa assassinou o jovem com o objetivo de roubá-lo, mas que a identidade dos criminosos permanece desconhecida.

Giulio Regeni. [Sawar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

Giulio Regeni. [Sawar Ahmed/Monitor do Oriente Médio]

A promotoria de Roma, no mesmo comunicado, afirmou que sua própria investigação concluiu que cinco agentes de segurança egípcios seriam os principais suspeitos do assassinato e que provavelmente cometeram o crime por motivação pessoal.

Entretanto, o Egito afirmou ter “reservas extremas” acerca das conclusões da promotoria italiana.

“O Ministério Público do Egito procederá ao encerramento temporário do caso […] cobrando das autoridades investigativas competentes que tomem todas as medidas necessárias para identificar os responsáveis pelo assassinato”, disse o comunicado.

Regeni, 28, era um pesquisador de doutorado da Universidade de Cambridge. Ele desapareceu em janeiro de 2016, no Cairo, onde realizava pesquisas sobre sindicatos egípcios. Seu corpo foi encontrado uma semana depois, com sinais de tortura.

LEIA: Egito prende familiares opositores como repressão à dissidência

A promotoria egípcia afirmou que a gangue que assassinou Regeni cometeu crimes semelhantes contra cidadãos locais e estrangeiros e que usou documentos falsos que ligavam os integrantes à segurança do país.

De acordo com a promotoria pública egípcia, não há evidências suficientes para levar o caso a julgamento.

A Reuters relatou que uma fonte oficial em Roma disse que promotores italianos devem pressionar pelo julgamento de alguns ou de todos os cinco suspeitos, observando que o caso deve ser formalmente encerrado na sexta-feira.

Categorias
ÁfricaEgitoEuropa & RússiaItáliaNotícia
Show Comments
Show Comments