Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Governo dos EUA aprova venda de U$ 55,5 milhões em armas para o Líbano

O Departamento de Estado dos EUA liberou o Líbano para a compra de armas no valor de U$ 55,5 milhões, apesar dos problemas financeiros do estado

O Departamento de Estado dos EUA liberou o Líbano para uma compra de armas no valor de U$ 55,5 milhões, apesar dos problemas financeiros do estado.

Esta é a primeira venda militar estrangeira para o Líbano é aprovada pelo Departamento de Estado dos EUA desde o início da presidência de Donald Trump em 2017. O estado em crise está supostamente tentando gastar o dinheiro em 300 veículos multifuncionais de alta mobilidade (conhecidos como Humvees ) para atualizar e padronizar a frota atual do exército.

Os veículos, que serão fornecidos pelo empreiteiro militar American General, serão usados principalmente para combater o extremismo e o terrorismo ao longo das fronteiras libanesas. A entrega também será acompanhada de suporte logístico, de manutenção e técnico às Forças Armadas Libanesas.

A aprovação, anunciada pela Agência de Cooperação para a Segurança da Defesa (DSCA) dos Estados Unidos, não garante que as vendas ocorrerão na forma atual. A decisão terá que ser aprovada pelo Congresso antes que o Líbano comece a negociar os detalhes da compra, incluindo o preço e a quantidade das armas.

A DSCA afirma que o comércio ajudará o país em meio à turbulência econômica e social. No entanto, os líderes internacionais estão cada vez mais impacientes com a falta de progresso do Líbano, apesar de alertar constantemente que o estado precisa reformar seus sistemas arcaicos para receber ajuda. Uma conferência em agosto arrecadou quase € 253 milhões (US $ 298 milhões) em promessas de ajuda. Um fundo administrado pelo Banco Mundial será criado nas próximas semanas para canalizar as doações internacionais por meio de agências da ONU e organizações não governamentais.

LEIA: Mais de metade do Líbano viverá na pobreza em 2021, alerta Banco Mundial

O DSCA disse:”Esta proposta de venda apoiará a política externa e a segurança nacional dos Estados Unidos, ajudando a melhorar a segurança de um país parceiro que continua a ser uma força importante para a estabilidade política e o progresso econômico no Oriente Médio.”

No entanto, a aprovação chega em um momento surpreendente para o Líbano, que enfrenta um colapso econômico e aumento da pobreza; lutando para combater a pandemia do coronavírus e lidar com o trauma da explosão massiva de 4 de agosto.

Na terça-feira (01/12), o governador do Banco Central, Riad Salameh, advertiu que sua instituição só poderia apoiar subsídios estatais em bens básicos pelos próximos dois meses, antes que as reservas de moeda atinjam níveis perigosos.

A ONU hospedou ontem uma segunda Conferência Internacional sobre Assistência e Apoio a Beirute nos esforços para coordenar os esforços de ajuda enquanto o Líbano lida com a turbulência política, econômica e social.

Os líderes internacionais estão cada vez mais impacientes com a falta de progresso do Líbano, apesar de alertar constantemente que o Estado precisa reformar seus sistemas arcaicos para receber ajuda.

Uma conferência semelhante em agosto arrecadou quase € 253 milhões (US $ 298 milhões) em promessas de ajuda. Um fundo administrado pelo Banco Mundial será criado nas próximas semanas para canalizar as doações internacionais por meio de agências da ONU e organizações não governamentais.

LEIA: Estados Unidos sabotam formação de governo no Líbano, segundo relatos

Categorias
Ásia & AméricasEUALíbanoNotíciaOriente MédioVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments