Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Estrela hollywoodiana, Scarlett Johansson pede ao Egito que libere equipe EIPR

Scarlett Johansson em Santa Mônica, Califórnia, em 8 de fevereiro de 2020. [Amy Sussman/Getty Images]
Scarlett Johansson em Santa Mônica, Califórnia, em 8 de fevereiro de 2020. [Amy Sussman/Getty Images]

A atriz de Hollywood Scarlett Johansson pediu às autoridades egípcias que liberassem três membros da equipe sênior da Iniciativa Egípcia pelos Direitos Individuais (EIPR).

O diretor executivo, Jasser Abdel-Razek, o diretor administrativo, Mohamed Bashir, e o diretor da Unidade de Justiça Criminal, Karim Ennarah, foram detidos no início de novembro, após uma reunião com embaixadores europeus para discutir a situação dos direitos humanos no Egito.

Eles foram acusados de “ingressar em um grupo terrorista” e “espalhar notícias falsas”, por isso foram mantidos em prisão preventiva. Abdel-Rezek está sendo mantido em confinamento solitário.

Um dos pesquisadores do EIPR, Patrick Goerge Zaki, está detido desde o início do ano.

“Falar em voz alta se tornou perigoso hoje no Egito”, disse Johansson em um vídeo publicado na página do EIPR no YouTube.

ASSISTA: Egito prende 14 pessoas por racismo contra um jogador de futebol

“Quero destacar a situação de pessoas que foram presas injustamente por defender a dignidade das pessoas: Jasser, Muhammad e Patrick, que trabalham para a iniciativa Egípcia pelos Direitos Pessoais.”

“Esses homens passaram suas vidas lutando contra a injustiça e agora estão presos atrás de grades. Todos eles estão enfrentando acusações falsas o suficiente para colocá-los na prisão por anos. A verdade é que o único crime foi se levantarem para defender a dignidade dos egípcios.”

O EIPR documenta as violações sistemáticas perpetradas pelo regime egípcio. Em novembro, publicou uma reportagem sobre o alarmante aumento de execuções no país.

Houve apoio internacional para os três funcionários detidos. No final de novembro, 37 membros do congresso norte-americano pediram ao Egito que os liberasse, acabasse com as prisões de membros da oposição e parasse com as campanhas de difamação conduzidas contra defensores e organizações dos direitos humanos.

A Anistia Internacional expressou solidariedade e renovou o apelo às autoridades egípcias para que os libertem imediatamente. O ex-líder trabalhista do Reino Unido, Jeremy Corbyn, condenou a prisão, assim como o Ministério das Relações Exteriores da França, os embaixadores da Irlanda, Itália e Alemanha e o ministro das Relações Exteriores britânico.

LEIA: Egito arquiva “temporariamente” caso de estudante italiano assassinado

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasEgitoEUANotícia
Show Comments
Show Comments