Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Houthis permitem inspeção da ONU sobre um petroleiro em ruínas, no Iêmen

Porto de Hudaydah, no Iêmen, 7 de dezembro de 2017 [George Khoury/Twitter]
Porto de Hudaydah, no Iêmen, 7 de dezembro de 2017 [George Khoury/Twitter]

O governo houthi no Iêmen concordou em permitir que uma missão da ONU inspecione e repare um petroleiro abandonado, com carga estimada de 1.1 milhões de barris de petróleo, sob receios de vazamento devastador e grave impacto aos ecossistemas do Mar Vermelho.

O incidente em potencial também levaria ao fechamento efetivo do porto estratégico de Hudaydah, na costa iemenita.

Segundo as Nações Unidas, o navio FSO Safer está se deteriorando rapidamente, descrito como “catástrofe iminente”, tanto em termos de consequências humanitárias quanto ambientais, no caso de vazamento de petróleo.

O governo iemenita reconhecido pela ONU, exilado na Arábia Saudita, e governo houthi, sediado na capital Sanaa, trocam acusações de negligência sobre o petroleiro ancorado.

LEIA: Coalizão árabe ataca áreas perto do aeroporto de Sana’a

Em 2014, forças houthis tomaram grande parte do Iêmen, inclusive a capital Sanaa. O país é assolado pela guerra desde então. A situação escalou em 2015, quando uma coalizão liderada pela Arábia Saudita interveio no conflito.

A crise humanitária no Iêmen é considerada a pior em todo o mundo, atualmente.

Em julho, Mohammed Ali Al-Houthi, membro sênior do Conselho Político Supremo do Iêmen, afirmou que uma equipe de manutenção foi enviada ao navio, mas que a coalizão liderada pela Arábia Saudita bloqueou o acesso a equipamentos necessários.

Em novembro, o governo iemenita reagiu ao acusar as autoridades em Sanaa de negar acesso de especialistas da ONU, junto do Ministro de Petróleo e Recursos Minerais Aws al-Awd.

O governo no exílio alega que os houthis expropriam o petróleo encalhado no local, para que possam coletar taxas de importação em nome do país.

Na última semana, Stephane Dujarric, porta-voz das Nações Unidas, confirmou que o governo houthi no Iêmen consentiu por carta, após meses de negociação, ao descrever a medida como “importante passo adiante … sobre uma operação crítica”.

Contudo, trabalhadores e equipamentos devem chegar ao local apenas no fim de janeiro ou início de fevereiro, segundo Dujarric.

LEIA: Israel tem como alvo o Mar Vermelho e Bab El-Mandeb

Categorias
Arábia SauditaIêmenNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Show Comments