Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel tem como alvo o Mar Vermelho e Bab El-Mandeb

Forças de Defesa de Israel [IDF / Flickr]
Forças de Defesa de Israel [IDF / Flickr]

Dia após dia, a magnitude dos benefícios israelenses com a normalização com o Golfo fica mais clara, especialmente nos níveis militar e estratégico. O último benefício diz respeito ao estabelecimento de bases militares israelenses no Golfo, Mar Vermelho e Bab El-Mandab, ou se beneficiar das bases dos Emirados espalhadas por essas áreas, e os benefícios militares para Israel trazidos pelo controle desses portos marítimos internacionais.

O acordo Emirado-Israel inclui muitas cláusulas com aspectos de segurança e militares, que estipulam a cooperação bilateral nessas áreas, e seu compromisso de tomar medidas importantes para evitar o uso de seus territórios para realizar um ataque hostil ou “terrorista” visando a outra parte , e que cada lado não apoiará quaisquer operações hostis no território da outra parte. Também estipula a coordenação de segurança bilateral e o fortalecimento das relações de segurança militar.

Esses textos cuidadosamente redigidos aumentaram as suposições sobre a possibilidade de Israel se beneficiar das bases militares dos Emirados na região, seja no Golfo, em Bab El-Mandab ou no Mar Vermelho. Isso pode levar ao estabelecimento de base militar israelense nos Emirados, bem como ao uso das águas dos Emirados, e à possibilidade de continuar por esse caminho para aumentar sua presença em Socotra, no Estreito de Bab El-Mandab e em Djibouti.

LEIA: Washington considera que a ‘normalização serve melhor a Israel do que anexação’

É importante notar que a possibilidade de estabelecer bases militares israelenses no Golfo, ou Israel se beneficiar das bases militares dos Emirados, não é fácil, mas muito perigosa. Isso porque, por mais que possa dar esperança aos Estados do Golfo, e aos Emirados Árabes Unidos em particular, de se defenderem da ameaça de qualquer ataque imaginário do Irã, ao mesmo tempo, isso os expõe ao perigo. O cumprimento dessa premissa significa que Israel pode atacar alvos iranianos nas águas do Golfo, ou no próprio coração do Irã, o que será igualado pelo Irã ao mirar nessas bases israelenses no Golfo.

O acordo permite que Israel se aproxime geograficamente do Irã e melhore os laços com o Golfo, área estratégica em termos de comércio e petróleo.

O Irã não ficará de braços cruzados e em silêncio em relação ao movimento Emirados-Israel, o que significa que a situação na região do Golfo deve ficar tensa e sofrer. O Irã está presente em todos os lugares por meio da Guarda Revolucionária e de suas células armadas adormecidas.

A segurança da navegação marítima no Golfo é um interesse puramente israelense dentro da estratégia de “conter a ameaça iraniana” e fortalecer as relações com os países do Golfo, disse o ex-ministro israelense das Relações Exteriores, Yisrael Katz.

Israel tem como objetivo obter o controle dos estreitos marítimos mais importantes da região, que pertencem às bases dos Emirados e da Arábia Saudita, o que aumenta a expansão da influência militar e estratégica de Israel.

Um documento do Ministério da Inteligência israelense revelou que o acordo com Abu Dhabi abre caminho para intensificar a cooperação militar entre eles no Mar Vermelho. Isso porque Israel tem interesse em ampliar a cooperação em segurança na região, levando ao fortalecimento da aliança militar entre eles. Isso inclui intenso movimento militar israelense, especialmente através dos países do Chifre da África, mais notavelmente a Etiópia, em um momento em que as empresas israelenses de armas buscam aumentar suas exportações para os Emirados.

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou que os Emirados Árabes Unidos e Israel concordaram em construir uma aliança militar e de segurança contra o Irã para proteger os interesses americanos e o Oriente Médio e aumentar a segurança e a cooperação de inteligência para enfrentar o que ele chamou de “terrorismo ”.

LEIA: Churrasco dos Bolsonaro celebra acordos dos Emirados e Bahrein com Israel

Mas Israel não deixou o Iêmen fora de vista. O país oferece uma porta de entrada para o estreito de Bab El-Mandab. Tel Aviv visa reprimir a resistência palestina para evitar que ela receba as armas que chegam do Irã através do Mar Vermelho, atingindo o Sinai e, em seguida, a Faixa de Gaza.

Enquanto as cláusulas mais importantes do acordo Emirados-Israel estiverem relacionadas à segurança e às relações militares, Israel trabalhará para explorar o acordo e aumentar sua influência no Golfo. Enquanto isso, os Emirados Árabes Unidos buscam o controle do Golfo com o apoio dos Estados Unidos e de Israel. Portanto, há um trabalho conjunto de israelenses e Emirados no Iêmen para estabelecer bases militares conjuntas e áreas de influência, especificamente na ilha de Socotra, o que permitiria para controlar completamente o caminho que passa da Índia para o Ocidente e penetra na África, que é uma localização estratégica para Israel.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoÁsia & AméricasEgitoEmirados Árabes UnidosEtiópiaEUAIêmenIrãIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments