Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Diplomata iraniano é condenado a 20 anos por terrorismo na Bélgica

Assadollah Assadi, 48, diplomata iraniano [Twitter]
Assadollah Assadi, 48, diplomata iraniano [Twitter]

O diplomata iraniano Assadollah Assadi, 48, suspeito de liderar um ataque a bomba na Europa, recebeu uma sentença de 20 anos de prisão proferida por um tribunal da Antuérpia, Bélgica, na semana passada.

O julgamento, que começou na sexta-feira, incluiu três outros iranianos por seu envolvimento em um complô de 2018 contra um grupo de oposição exilado na França.

Esta é a primeira vez que um país da União Europeia (UE) julga uma autoridade iraniana de crimes de terrorismo.

Assadi teria transportado quase meio quilo de explosivos para a Bélgica em um voo comercial do Irã para Viena, em junho de 2018, informou o New York Times.

O homem de 48 anos dirigiu então, em um carro alugado, para Luxemburgo, onde entregou a substância a um casal iraniano-belga.

O casal, Amir Saadouni, 40, e sua esposa, Nassimeh Naami, 36, foram presos dois dias depois, enquanto dirigiam para Paris.

LEIA: Irã promete ‘dura vingança contra ‘assassinos de cientistas”

Assadi foi preso na Alemanha, em seu trajeto de volta para Viena. Um quarto homem, Mehrdad Arefani, 57, foi preso sob suspeita de ser cúmplice de Assadi.

O porta-voz do tribunal da Bélgica anunciou o veredicto, dizendo: “Para o diplomata iraniano suspeito neste caso, uma pena de prisão de 20 anos. Para o casal encontrado em posse da bomba, uma pena de prisão de 18 anos, e para o quarto suspeito, uma pena de 15 anos de prisão. Para estes três últimos suspeitos, o promotor federal solicitou também a retirada de sua nacionalidade belga. ”

Teerã rejeitou o julgamento, chamando o caso um crime de “falsa bandeira” do Conselho Nacional de Resistência do Irã, com sede em Paris, que seria o suposto alvo do complô.

O ministro das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, também afirmou que as acusações foram elaboradas para constranger o Irã pouco antes de o presidente Hassan Rouhani viajar para a Europa para reunir apoio para o acordo nuclear de 2015.

No entanto, Jaak Raes, chefe do serviço de segurança do Estado da Bélgica (VSSE), disse aos promotores: “O plano de ataque foi concebido em nome do Irã e sob sua liderança. Não foi uma iniciativa pessoal de Assadi”.

O enredo de 2018 tinha como alvo a convenção anual do NCRI, onde o advogado do presidente Donald Trump, Rudy Guiliani, foi escalado para fazer o discurso principal.

O principal alvo do ataque a bomba, acreditam os promotores, seria Maryam Rajavi, a presidente eleita do NCRI, que defende o lado da revolução no Irã.

A convenção de 2018 também contou com a presença de vários nomes importantes, incluindo o ex-primeiro-ministro canadense Stephen Harper, o ex-diretor do FBI, Louis Freeh, e o ex-presidente da casa nos Estados Unidos, Newt Gingrich.

As autoridades disseram que o ataque foi frustrado por uma operação coordenada pelos serviços de segurança franceses, alemães e belgas.

LEIA: ‘O mundo deveria nos agradecer por matar o cientista iraniano’, regozija-se agente de Israel

Categorias
AlemanhaBélgicaEuropa & RússiaFrançaIrãNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments