Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Vi nos brasileiros uma moral do Islã

Entrevista com o imã do Centro Islâmico de Florianópolis, Sheikh Amin AlKaram

O Islã é a segunda religião do mundo em termos de população e a religião que se espalha mais rapidamente de acordo com muitos observadores. Existem diferentes histórias sobre como chegou ao Brasil. Alguns dizem que o Islã já estava presente no Brasil quando foi descoberto, e alguns dizem que entrou depois. Isso ainda é desconhecido.

Em um país com uma população de mais de 250 milhões de pessoas, não há dúvida de que difundir o Islã, reivindicá-lo e defini-lo não é uma tarefa fácil, e muitos pregadores islâmicos têm dedicado suas vidas para trabalhar na chegada e divulgação do Islã na América Latina em geral e no Brasil em particular.

Um desses pregadores é o Sheikh Amin ALKaram, o imã do Centro Islâmico de Florianópolis, que começou sua vida na cidade síria de Hama, onde nasceu, cresceu e concluiu o ensino médio em ciências islâmicas, depois deixou a Síria em 1980 para completar sua educação em estudos islâmicos na Arábia Saudita e graduar-se como pregador após 4 anos de estudo na Faculdade de Fundamentos da Religião da Universidade Muhammad bin Saud islâmica.

Sheikh Amin diz que não esperava vir trabalhar no Brasil, e o Brasil não estava entre seus planos pessoais, mas ele veio depois que o Ministério de Assuntos Islâmicos e Investimentos da Arábia Saudita o escolheu para ser um pregador no país há 35 anos, e ele começou sua vida pregando em uma mesquita localizada no interior do Rio de Janeiro. Ele fez a oração do Eid al-Adha como sua primeira oração no Brasil, e uma semana depois foi direcionado para trabalhar por 6 anos na cidade costeira de Paranaguá em meio a uma comunidade muçulmana libanesa de aproximadamente 250 muçulmanos,. Então se mudou para São Paulo. Por 6 anos foi imã de mesquita da região de São Miguel. Depois, mudou-se para Florianópolis, onde vive há mais de 20 anos.

LEIA: Atentados contra a vida não podem ser chamados de islâmicos, dizem entidades religiosas

O início no Brasil

“Foi um grande choque para mim.” “Vivi todos os dias da minha vida em um ambiente muito conservador na Síria e na Arábia Saudita, e é difícil começar a sua vida em um ambiente muito aberto a tudo, seja no nível social ou cultural ou comportamental. Também descobri que a vida dos muçulmanos e a cultura deles aqui no Brasil é diferente da que temos nos países árabes, e é claro que isso representou um grande desafio para mim. O que mais me surpreendeu na vida dos muçulmanos é que a oração não era realizada na mesquita, exceto na sexta-feira, e as pessoas olham para a oração da sexta-feira como a única medida de compromisso religioso. Mas, com o tempo, fui capaz de me integrar à sociedade e lidar com a população com facilidade.”

A compreensão

“Se a segunda geração de muçulmanos temia o sheikh como pessoa, e o considerava um pregador e apenas uma pessoa chata, imagine um brasileiro não muçulmano!”

Segundo o sheikh, isso se deve à falta de aprendizado da língua portuguesa pelos pregadores ou imãs que são enviados ao Brasil por um curto período. Saem do Brasil, deixando uma imagem injusta do valor e da importância de um sheikh, e isso foi o que o impulsionou a aprender português e dominá-lo depois de apenas dois anos. Isto se tornou seu maior foco no da’wah sobre os brasileiros não-muçulmanos e as gerações muçulmanas que nasceram e cresceram no Brasil, e isso o levou a escrever e publicar um livro em português intitulado “A Unicidade de Deus e o Evangelho da Profecia de Muhammad na Bíblia” que é um estudo aprofundado de textos da Torá e da Bíblia, comparando-os com textos do Sagrado Alcorão sobre a unidade de Deus e a missão profética de Muhammad (s.a.w). O sheikh afirma que este livro foi a razão de vários brasileiros entrarem no Islã, e também é uma referência para qualquer expatriado muçulmano aprender mais sobre sua religião.

A integração

A integração do Sheikh e seu contato constante com os brasileiros, além da natureza amigável do povo, ajudaram-no a se integrar mais à sociedade brasileira e a facilitar sua missão na advocacia, por isso participou de diversas conferências no Brasil e na América Latina, nas quais falou sobre o Islã e sua mensagem. Ele descreve o brasileiro como “um povo muito amigável e generoso” e isso facilitou o processo de sua rápida integração à comunidade local.

Ele conta sobre uma das situações que ocorreram com ele e continua a afetá-lo até hoje “Um dia eu estava conversando com um comerciante brasileiro não muçulmano e não o conhecia de antemão, e meu encontro com ele foi um encontro passageiro na rua, então ele insistiu em me dar uma série de presentes, mas eu recusei veementemente e não aceitei. Ele me disse: Se não honrarmos o clero em nossa sociedade, quem irá honrá-los ?! Isso, na opinião do sheikh, indica a sofisticação e tato do povo no trato com o clero em geral, sem qualquer distinção ou discriminação entre raça ou religião.

LEIA: ‘Agi por humanidade, porque sou palestino muçulmano’

A Síria

Sheikh Amin chegou à conclusão de que, por mais distante que uma pessoa esteja afastada e por mais longe que esteja de seu país e tenha vivido em outro ambiente, principalmente no fértil meio brasileiro, ele não pode esquecer sua pátria. Descrevendo seu relacionamento com seu país como um relacionamento muito próximo, ele diz:

“A Síria é meu país. Escrito na minha testa, gravado no meu coração, e tem o mérito de nutrir-me e criar-me, pois nele estudei entre os mais antigos eruditos e professores. Jamais esquecerei. Acordo e durmo e sonho em voltar a ele um dia, e espero voltar. Vou cheirar a fragrância de seu solo e vagar por suas ruas, e falar com seu povo, e o que mais me atrai é a presença de minha família ali, para este dia, em Hama ”.

Categorias
Ásia & AméricasBrasilEntrevistas
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments