Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Nagorno-Karabakh, vitória estratégica para a Turquia

O Ministro da Defesa turco Hulusi Akar (esq) e o Ministro da Defesa do Azerbaijão, Zakir Hasanov (dir.) participam de uma cerimônia do acordo alcançado para interromper os combates pelo Nagorno-Karabakh, no Ministério da Defesa do Azerbaijão em Baku , Azerbaijão em 11 de novembro de 2020. [Arif Akdoğan - Agência Anadolu]
O Ministro da Defesa turco Hulusi Akar (esq) e o Ministro da Defesa do Azerbaijão, Zakir Hasanov (dir.) participam de uma cerimônia do acordo alcançado para interromper os combates pelo Nagorno-Karabakh, no Ministério da Defesa do Azerbaijão em Baku , Azerbaijão em 11 de novembro de 2020. [Arif Akdoğan - Agência Anadolu]

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou na terça-feira que o Azerbaijão e a Armênia assinaram um acordo de paz, encerrando seis semanas de violentos combates entre os dois países por causa do Nagorno-Karabakh. A região montanhosa é reconhecida internacionalmente como parte do Azerbaijão, mas tem sido ocupada e administrada por armênios étnicos desde 1994.

O acordo estipula que o Azerbaijão manterá as áreas de Nagorno-Karabakh que foram liberadas durante a guerra e a Armênia deve se retirar de várias outras áreas nas próximas semanas. A Rússia, por sua vez, enviará 1.960 soldados de paz para proteger o Corredor Lachin, que liga a capital de Karabakh, Stepanakert, à Armênia. O Azerbaijão também ganhará uma ligação rodoviária para Nakhchivan, um enclave azeri na fronteira com a Turquia.

“Assinei uma declaração com os presidentes da Rússia e do Azerbaijão sobre o fim da guerra de Karabakh”, disse o primeiro-ministro da Armênia, Nikol Pashinyan. Ele descreveu a assinatura do acordo como “indescritivelmente dolorosa” para ele e para o povo armênio. “Tomei essa decisão como resultado de uma análise aprofundada da situação militar.”

O líder armênio em Nagorno-Karabakh, Arayik Harutyunyan, disse que o cessar-fogo foi “inevitável” após a perda de Shusha, a segunda maior cidade de Karabakh.

LEIA: Onde vai Nagorno-Karabakh?

Em um discurso televisionado, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, disse que “uma mão de ferro o forçou [Pashinyan] a assinar este documento … Isso é essencialmente uma capitulação.”

A Turquia foi o principal apoiador do Azerbaijão nesta guerra, mas provavelmente esteve ausente das negociações finais do acordo de paz. No entanto, parece que alcançou sua própria vitória. De acordo com Aliyev, o negócio ocorreu após um telefonema entre Putin e o presidente turco Recep Tayyip Erdogan no domingo.

“Continuaremos com o Azerbaijão”, explicou o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavuşoğlu. “Este é um grande sucesso e vitória para o Azerbaijão”.

O porta-voz de Erdogan, İbrahim Kalın, twittou: “Karabakh agora está livre. Karabakh é o Azerbaijão. A Turquia permanecerá ao lado do Azerbaijão tanto em campo quanto na mesa.” O ministro da Defesa, Hulusi Akar, acrescentou: “Parabenizamos nossos irmãos e irmãs azerbaijanos que lutaram para recuperar suas próprias terras que foram ocupadas por quase 30 anos e para acabar com os ataques bárbaros da Armênia.”

Azerbaijanos visitam o Beco dos Mártires, um cemitério e memorial dedicado aos mortos pelas tropas soviéticas durante o Janeiro Negro de 1990, enquanto se reúnem para celebrar o acordo alcançado para interromper os combates na região de Nagorno-Karabakh como a derrota da Armênia, em Baku, Azerbaijão em 10 de novembro de 2020. [Resul Rehimov - Agência Anadolu]

Azerbaijanos visitam o Beco dos Mártires, um cemitério e memorial dedicado aos mortos pelas tropas soviéticas durante o Janeiro Negro de 1990, enquanto se reúnem para celebrar o acordo alcançado para interromper os combates na região de Nagorno-Karabakh como a derrota da Armênia, em Baku, Azerbaijão em 10 de novembro de 2020. [Resul Rehimov – Agência Anadolu]

O acordo de paz também foi saudado por Kemal Kılıçdaroğlu, o presidente do principal partido de oposição do Partido Popular Republicano (CHP): “Saúdo com orgulho o acordo de trégua, que legitima a luta legítima do Azerbaijão contra a ocupação das suas terras, e felicito cordialmente a vitória do Azerbaijão . ”

Contatos na Turquia me disseram que as comemorações da vitória não foram menos impressionantes do que as do Azerbaijão. Por que a Turquia ficou ao lado do Azerbaijão e por que os turcos estão tão exultantes?

Em primeiro lugar, a vitória significa que a Turquia terá uma rota terrestre direta através do Azerbaijão e, assim, recuperará sua contiguidade histórica com todas as nações turcas do Azerbaijão, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão e Uzbequistão. “Muitos países fizeram o possível para prejudicar a realização desse objetivo geoestratégico”, disse Rasul Tosun, um alto funcionário do Partido da Justiça e Desenvolvimento, à Al Jazeera em árabe.

O jornalista turco Hamza Tekin disse-me que a Turquia agora faz parte de uma região muito grande dominada por turcos étnicos, do Mar Egeu à China. “Todas as nações entre esses dois pontos são turcas”, ressaltou. “Isso traz benefícios econômicos, políticos e estratégicos para a Turquia, o mais forte dos países da região.”

LEIA: Qual a posição do Irã no conflito de Nagorno-Karabakh?

Tekin observou que a Turquia ofereceu ao Azerbaijão “apoio militar, de inteligência, informação e mídia” em sua luta contra a ocupação armênia. “Esta foi uma vitória turca do ponto de vista de sua política, interesses, objetivos e visão estratégica.”

Segundo informações da Al Jazeera, autoridades na presidência turca disseram que a Turquia também está interessada na ligação terrestre com o Afeganistão e o Paquistão sem ter que passar pelo Irã.

Segundo reportagem do Telegraph da Grã-Bretanha, a Turquia parece já ter influenciado os estados da região. “Ancara também pressionou os governos da Ásia Central, com suas conexões turcas e islâmicas, a apoiar o Azerbaijão”, escreveu James Kilner esta semana.

O diário francês L’Opinion, é citado pela agência turca Anadolu, por indicar que esta seja uma vitória turca contra a França, que apoiou a Armênia. Além disso, disse o L’Opinion, o equipamento militar russo provou ser fraco em face da tecnologia de defesa turca. “A superioridade do Azerbaijão sobre a Armênia ficou clara nos primeiros dias dos confrontos armados. A eficiência do equipamento russo contra a tecnologia turca permaneceu bastante limitada.”

Como Kilner apontou, o “forte apoio político turco, drones turcos de ponta e experientes conselhos militares turcos pesaram na balança em favor do Azerbaijão”. As potências mundiais tentaram neutralizar a Turquia, mas não conseguiram.

“Esta é uma mensagem para todos de que a Turquia está ao lado de seus aliados até que atinjam seus objetivos”, acrescentou Tekin, alcrescentando que “o mundo deve entender que não é fácil pressionar a Turquia a desistir de seus direitos, seja no Mediterrâneo ou em qualquer outro lugar.”

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasAzerbaijãoEuropa & RússiaOpiniãoTurquia
Show Comments
Show Comments