Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Áustria prende 30 integrantes do Hamas e da Irmandade Muçulmana, na repressão ao islamismo

Polícia austríaca, 12 de março de 2018 [raftsvideoinc / Twitter]
Polícia austríaca, 12 de março de 2018 [raftsvideoinc / Twitter]

A polícia austríaca prendeu 30 pessoas suspeitas de serem radicais islâmicos ontem, como parte da “guerra contra o islamismo” do governo, informou o Times.

Os indivíduos foram apreendidos durante uma série de batidas antes do amanhecer, chamadas de ‘Operação Luxor’, conduzidas por quase 1.000 policiais, incluindo forças especiais, pessoal de contraterrorismo e adestradores de cães.

Os ataques, que foram conduzidos simultaneamente em todo o país às 5 da manhã de ontem, focaram nos ramos austríacos do Hamas, o grupo palestino, e da Irmandade Muçulmana, uma organização islâmica transnacional.

Mais de 70 indivíduos estão sendo investigados, de acordo com o Times, embora apenas 30 tenham sido presos durante as batidas de ontem.

A polícia também apreendeu smartphones, documentos, computadores e grandes somas de dinheiro, mas nenhuma arma ou explosivo, disse o relatório.

LEIA: Turquia alertou Áustria sobre atirador de Viena com antecedência

Contas bancárias e outros ativos financeiros pertencentes aos 30 detidos foram congelados, disse o promotor estadual em Graz, com o objetivo de rastrear fluxos de dinheiro que podem ser usados ​​para financiar o terrorismo.

A operação acontece depois que quatro pessoas foram mortas e 22 feridas em um ataque terrorista inspirado no Daesh no centro de Viena em 2 de novembro.

Embora a ‘Operação Luxor’ tenha sido planejada antes do ataque na semana passada, a repressão foi vista como parte da “guerra contra o islamismo” da Áustria, convocada pelo chanceler Sebastian Kurz após o tiroteio mortal.

Kurz, na época, disse ao jornal alemão Die Welt: “O extremismo islâmico quer dividir nossa sociedade. Este ódio não deve ter espaço. Os inimigos são extremistas e terroristas, não imigrantes. Não deve haver tolerância com a intolerância.”

O estado já fechou duas mesquitas na capital, as quais as autoridades acreditam que o atirador Kujtim Fejzulai frequentava e prendeu dois supostos associados.

O chanceler austríaco deve viajar a Paris hoje para um encontro com o presidente francês Emmanuel Macron, enquanto os dois procuram construir uma frente europeia para combater o Islã político.

A dupla também se encontrará com a chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, para discutir os esforços para erradicar o terrorismo islâmico no continente.

Kurz disse: “A ameaça do terrorismo islâmico afeta todos nós na Europa, como vimos recentemente através dos ataques na França e em muitos outros países europeus no passado.”

“Devemos perseguir implacavelmente as ameaças islâmicas à segurança pública e a ideologia que está por trás delas.”

LEIA: Áustria homenageia herói palestino no ataque em Viena

Categorias
ÁfricaÁustriaEgitoEuropa & RússiaNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments