Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Empresário do Sudão visitará Israel para acelerar processo de normalização

Protesto contra acordo de normalização com Israel em Cartum, Sudão em 25 de setembro de 2020 [Agência Abbas M. Idris / Anadolu]
Protesto contra acordo de normalização com Israel em Cartum, Sudão em 25 de setembro de 2020 [Agência Abbas M. Idris / Anadolu]

O empresário sudanês Abu Al-Qasim Bortom prepara uma polêmica viagem a Israel, acompanhado por 40 cidadãos sudaneses de diferentes origens sociais, para acelerar o processo de normalização.

No quintal de sua casa, cuja fachada lembra a da Casa Branca, Bortom, o empresário de 54 anos que trabalha nas áreas de agricultura e transporte, disse à Agence France-Press (AFP) que a viagem incluirá “professores universitários, trabalhadores, fazendeiros, artistas, atletas e sufis ”.

O Sudão não mantém relações diplomáticas oficiais com Israel, que em setembro assinou dois acordos de normalização históricos com os Emirados Árabes Unidos (EAU) e Bahrein.

Essa viagem se tornou fonte de polêmica no país do Norte da África devido à divisão de posições sobre a questão da normalização com Israel, seja entre partidos políticos ou dentro da sociedade civil, e até mesmo no governo de transição que assumiu o poder no Sudão após a derrubada do presidente Omar Al-Bashir em abril de 2019.

‘Barreira psicológica’

Sobre o objetivo da visita, Bortom, que vestia roupas tradicionais sudanesas compostas por túnicas brancas e turbante, explicou: “Existe uma barreira psicológica entre o povo sudanês e Israel, criada por islâmicos, esquerdistas e nacionalistas árabes. Essa barreira psicológica deve ser removida. ”

Bortom afirmou que nunca visitou Israel e que não mantém nenhum contato com as autoridades do país.

No entanto, ele indicou que nada o impede de visitar Israel após a exclusão, há quinze anos, da frase no passaporte sudanes que afirmava: “O portador [deste passaporte] está autorizado a viajar para todos os países, exceto Israel”.

LEIA: Knesset aprova acordo Israel-Emirados, Netanyahu nega haver cláusulas secretas

Em uma pesquisa de opinião conduzida pelo Centro Árabe de Pesquisa e Estudos Políticos publicada na semana passada, apenas treze por cento do povo sudanês apoiam o estabelecimento de relações diplomáticas entre o Sudão e Israel, enquanto 79 por cento se opõem a essa medida.

Bortom não demonstrou nenhum interesse pela causa palestina, afirmando: “Eu só me importo com os interesses do meu país e acredito que nossa inimizade com Israel nos prejudicou. Nosso país é rico em recursos naturais, mas nos tornamos mendigos ”.

A economia sudanesa está sofrendo uma crise em parte devido às sanções impostas a Cartum por ter sido incluído na lista dos Estados Unidos de países que patrocinam o terrorismo desde 1993. Isso se deveu a laços anteriores com organizações islâmicas como a Al-Qaeda, cujo ex-líder Osama Bin Laden ficou no Sudão entre 1992 e 1996, o que levou os EUA a isolar o país e privá-lo de investimentos estrangeiros.

“Acho que a normalização ajudará nosso país a atrair investimentos e ter acesso à tecnologia ocidental. É verdade que Israel é um país pequeno, mas seus cidadãos têm uma grande influência sobre a economia ocidental na Europa e nos Estados Unidos. ”, disse o empresário sudanes.

Divisão

Embora a liderança militar no Sudão acredite que a normalização beneficiará o país, as forças civis no governo de transição, lideradas pelo primeiro-ministro Abdalla Hamdok, assumiram uma postura mais cautelosa.

Em fevereiro passado, o chefe do Conselho de Soberania do Sudão, o tenente-general Abdel Fattah Al-Burhan, se reuniu com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em Uganda.

No início deste mês, o Tenente General Mohamed Hamdan Dagalo, vice-presidente do Conselho de Soberania, afirmou a um canal de TV sudanês: “Israel é um país desenvolvido e o mundo inteiro está cooperando com ele. Precisamos de Israel para alcançar a prosperidade. ”

O governo dos EUA quer que o Sudão siga o exemplo dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein, já que o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, visitou Cartum em agosto para discutir a normalização.

LEIA: Trump pede aos Emirados que encorajem países a construir laços com Israel

No entanto, Hamdok confirmou seu desejo de separar as questões de: “Remover o Sudão da lista de patrocinadores estatais do terrorismo e da normalização com Israel”.

Ele ressaltou no final de setembro: “O assunto é complexo e tem muitas implicações, o que requer uma discussão com os componentes sociais sudaneses.”

As declarações de Hamdok irritaram Bortom, que acusou o governo de transição de falta de visão.

O Conselho Fiqh Islâmico, a mais alta autoridade islâmica e religiosa no Sudão, também se opõe à normalização das relações com Israel.

O secretário-geral do conselho, Adel Hassan Hamza, disse à AFP: “Na presença de 40 dos 50 membros do conselho, emitimos uma fatwa proibindo a normalização com Israel porque é uma entidade ocupante que saqueou as terras palestinas. Acho que o governo vai cumprir essa fatwa ”.

No entanto, Bortom acredita que sua visita a Israel ajudará a construir a confiança entre os dois povos e está determinado a levar adiante seu plano.

“A questão da normalização com Israel não é religiosa, mas política. Sei que minha viagem vai provocar reações negativas, mas isso não me assusta ”, afirmou Bortom.

LEIA: Sudão pede por apoio econômico para instituir laços com Israel, apontam relatos

Categorias
Ásia & AméricasEmirados Árabes UnidosEUAIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaSudão
Show Comments
Show Comments