Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Jovem egípcia morre após ser assediada sexualmente e arrastada por van

Uma egípcia de 24 anos foi morta depois que um grupo de homens a arrastou pelas ruas com sua van.

Uma egípcia de 24 anos foi morta depois que um grupo de homens a arrastou pelas ruas com sua van.

Mariam Saleh estava voltando do trabalho para casa quando três homens a assediaram sexualmente e a assaltaram. Quando ela tentou fugir, um deles agarrou sua bolsa. A van acelerou e Mariam foi arrastada pelo veículo.

Seu corpo foi encontrado em Maadi coberto de fraturas e feridas causadas por ser arrastada para baixo das rodas e, em seguida, bater em um carro estacionado. Ela morreu antes de chegar ao hospital.

O caso e os criminosos foram filmados e as imagens foram confiscadas pela polícia.

Ontem, a promotoria egípcia ordenou a prisão de três homens acusados ​​de assédio sexual, arrastar e matar uma mulher no subúrbio de Maadi, no Cairo, informou o Al-Ahram.

No entanto, o Ministério Público divulgou uma declaração alegando que os homens estavam tentando roubar a bolsa de Mariam, omitindo o assédio sexual, segundo o Egyptian Streets.

LEIA: Homem tenta sequestrar criança de sua mãe no Egito

Mariam é a última vítima da crise de assédio e abuso sexual do Egito, que abalou o país nos últimos meses.

Os defensores dos direitos humanos há muito lamentam a tendência do governo de tratar as mulheres que sofreram abusos sexuais como perpetradoraASSISTIR: Estupro, poder e corrupção: este é o momento MeToo do Egito?s, e não como vítimas. Ao mesmo tempo, o assédio e o abuso sexual muitas vezes não são punidos.

Durante o verão, nove homens foram acusados ​​de drogar e estuprar uma mulher no luxuoso Fairmont Nile City Hotel em 2014. O grupo filmou o estupro e depois usou as imagens para chantagear a vítima.

Com o aumento da pressão, as autoridades ordenaram que os homens fossem presos. Houve protesto depois que o governo prendeu três testemunhas do estupro coletivo e as acusou de abuso de drogas, incitação à libertinagem e participação em uma orgia.

Em julho, Ahmed Bassem Zaki foi acusado de agressão indecente a pelo menos três mulheres, incluindo uma menor, em um caso que abriu um raro debate público sobre crimes sexuais no Egito.

Várias mulheres com perfis na rede TikTok estão atualmente sendo processadas por alegada devassidão online, o que é visto como  ataque direcionado contra todas as mulheres e influenciadores de mídia social.

Categorias
ÁfricaEgitoNotíciaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments