Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Diplomata saudita culpa os palestinos, não a ocupação brutal de Israel

Ex-embaixador da Arábia Saudita nos EUA, Bandar Bin Sultan [Twitter]
Ex-embaixador da Arábia Saudita nos EUA, Bandar Bin Sultan [Twitter]

Muito se tem escrito sobre a intervenção “espontânea” do ex-embaixador da Arábia Saudita nos Estados Unidos, Bandar Bin Sultan. Sabe-se agora que a mensagem mais importante que ele foi encarregado de transmitir estava contida na última frase de sua longa entrevista sobre a Al-Arabiya: A Arábia Saudita, disse ele, tem seus próprios interesses e preocupações, e não vai colocar os de mais ninguém interesses sobre os seus.

É claro que Bin Sultan estava se referindo à normalização com Israel para garantir o apoio dos EUA ao Reino e a proteção contra o Irã. Anos de declarações oficiais confirmaram que Riad acredita que o Irã é a maior ameaça na região. No entanto, a normalização realmente protegerá a Arábia Saudita dos iranianos?

Não há dúvida de que todo país tem o direito de defender seus próprios interesses e proteger sua segurança nacional. O problema de tentar proteger a Arábia Saudita normalizando as relações com Israel, porém, é que é um esforço condenado. Incluir Israel na equação custará caro ao Reino.

Para começar, provará que o Irã tem razão ao afirmar que é o único país da região que apóia a causa palestina. No entanto, esta causa ainda é uma causa central nos corações e mentes do povo árabe em geral, e na Arábia Saudita em particular, apesar dos esforços da mídia oficial para eliminar essa consciência.

Depois, há o fato de que abrir a porta do Golfo para o estado de ocupação por meio da normalização alimentará sua guerra fria com o Irã. Isso afetará a segurança de todos os Estados do Golfo, especialmente da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Bahrein.

O plano pérfido de normalização dos Emirados Árabes Unidos com Israel - Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O plano pérfido de normalização dos Emirados Árabes Unidos com Israel – Cartoon [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Além disso, Israel empurrará os Estados “normalizados” do Golfo para um confronto com o Irã. Se este confronto tomar uma virada séria, Deus me livre, então não será uma guerra direta Israel-Irã, mas uma guerra de procuradores israelenses-Irã.

Todos nós que acompanhamos o debate político dentro de Israel estamos cientes de que nenhuma das partes está interessada na guerra com o Irã. O mesmo se aplica aos EUA, que vêem o Irã como uma ameaça menor aos seus interesses agora que a importância do petróleo do Golfo diminuiu e a superioridade militar de Israel está garantida. Conseqüentemente, a América não entrará em tal guerra com o Irã no curto e médio prazo, seja o presidente dos EUA um republicano ou um democrata; Washington baseará sua política exclusivamente na necessidade de assegurar que o Irã não adquira armas nucleares.

Nem Israel nem os Estados Unidos protegerão a Arábia Saudita do Irã. Os interesses dos Estados do Golfo só serão protegidos por um renascimento árabe contra a ocupação israelense e a formação de amplas alianças com o Egito e a Turquia. Isso levará o Irã a fazer algumas reconciliações históricas na região com o Líbano, o Iêmen e a Síria.

LEIA: Reconhecer Israel abre novas portas no Golfo, mas matará o sonho de uma Jerusalém árabe

A entrevista de Bandar Bin Sultan foi baseada em suas lembranças destinadas a mostrar os líderes palestinos da pior maneira possível, como se para “provar” que eles não merecem apoio. Não há problema em criticar as lideranças palestinas em todas as facções; o povo da Palestina faz isso o tempo todo, mas a justiça de sua causa e seu apego à sua pátria não são definidos ou limitados aos políticos responsáveis. O príncipe saudita foi mordaz sobre o discurso político e seu declínio sem precedentes, mas prosseguiu como um fofoqueiro de esquina para mencionar características pessoais de funcionários palestinos e expor disputas internas e conflitos que o movimento de libertação palestina testemunhou ao longo de sua história.

Os próprios palestinos criticam essas divergências e conflitos, mas o fazem usando uma linguagem política, não em uma série de brigas inadequadas para políticos e diplomatas. Eles também sabem que tais conflitos são parte integrante do trabalho político em movimentos de libertação e até mesmo em estados e governos de pleno direito. Eu esperava que um diplomata sênior como Bandar Bin Sultan entendesse isso. Ele poderia, é claro, ter contado à Al-Arabiya sobre o conflito sangrento em torno do nascimento do Reino da Arábia Saudita, e as divisões internas, conspirações, prisões, traições e corrupção nas quais a Casa de Saud ainda está envolvida.

Os palestinos precisam de críticas políticas em sua luta heróica, mas não precisam de lições sobre como administrá-las, ou sobre como lidar com as “oportunidades perdidas”.

LEIA: A normalização pelos Estados do Golfo é diferente

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoÁsia & AméricasEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments