Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Relembrando a Guerra de Outubro

Há 47 anos atrás, em 6 de outubro de 1973, Egito e Síria lançaram uma campanha militar para recuperar territórios que haviam perdido para Israel seis anos antes, em 1967

Há 47 anos atrás, em 6 de outubro de 1973, Egito e Síria lançaram uma campanha militar para recuperar territórios que haviam perdido para Israel seis anos antes, em 1967. Os países lutaram por 19 dias até que uma resolução da ONU encerrou as hostilidades, em 25 de outubro.

O que: Guerra de Outubro

Quando: 6 a 25 de outubro de 1973

O que aconteceu?

Forças egípcias e sírias lançaram uma campanha militar para libertar a Península do Sinai e as Colinas de Golã, ocupadas seis anos antes por Israel durante a Guerra dos Seis Dias. O ataque foi lançado em duas frentes: as tropas egípcias cruzaram o Canal de Suez e capturaram território no Sinai, enquanto, no lado oriental, as forças sírias atacaram as tropas israelenses no Golã para recuperar posições militares estratégicas.

O ataque foi autorizado pelo presidente egípcio Anwar Sadat e apoiado pelo presidente sírio Hafez Al-Assad. Ambos estavam se recuperando da derrota em 1967. Sadat, em particular, queria reabrir o Canal de Suez e aliviar os problemas econômicos de seu país, mas a falta de movimento na comunidade internacional para fazer cumprir a Resolução 242 da ONU, que conclamava Israel a retirar-se do território ocupado durante a Guerra dos Seis Dias, forçou-o a uma ação militar.

As forças egípcias e sírias obtiveram ganhos territoriais significativos e infligiram danos consideráveis ​​aos militares israelenses durante a fase inicial da guerra. A situação tornou-se crítica para os israelenses quando dezenas de aviões de combate do país foram abatidos e centenas de tanques destruídos. Pela primeira vez em seus 25 anos de história, Israel estava na defensiva.

LEIA: Relembrando a libertação de Jerusalém por Saladino

Quando o pânico se instalou, os líderes do estado sionista mobilizaram um quarto de milhão de reservistas para barrar seus inimigo. Os Estados Unidos, acreditando que Israel estava à beira da derrota militar e temendo a supremacia russa por meio de seu cliente, o Egito, apressaram-se em aprovar US$ 2.2 bilhões em ajuda militar. A Força Aérea e a Marinha dos EUA lançaram uma operação com armas transportadas para Israel por avião e mar.

A derrota iminente foi evitada dentro de uma semana, quando as divisões blindadas israelenses forçaram as tropas sírias em Golã a recuar enquanto avançavam para o interior do território sírio. Como o equilíbrio mudou em favor de Israel, aliados regionais enviaram tropas para apoiar a campanha do Egito e da Síria.

O que aconteceu depois?

A Guerra de Outubro foi o quarto maior conflito de Israel com seus vizinhos. Embora tenha durado apenas 19 dias, teve um grande impacto em todo o mundo. Pela primeira vez na história, o petróleo estava sendo usado para pressionar os governos ocidentais contra seu apoio a Israel. Os países produtores de petróleo da região liderados pela Arábia Saudita boicotaram os Estados Unidos e outros apoiadores ocidentais de Israel. O preço do petróleo disparou 400%, de US$ 3 por barril para US$ 12. Milhões foram gravemente afetados pelo alto ṕreço da energia e diz-se que o aumento exponencial do custo de vida custou até a vitória eleitoral do Partido Conservador britânico em 1974.

Politicamente, a região entrou em uma nova fase. Após a adoção da Resolução 340 do Conselho de Segurança da ONU – a terceira em menos de quatro dias, exigia das partes beligerantes o cessar fogo imediato e total – o presidente Sadat iniciaria uma série de negociações diplomáticas que levariam ao tratado de paz de Camp David de 1978 com Israel.

Enquanto isso, Israel criou uma Comissão de Investigação chefiada pelo presidente da Suprema Corte israelense. O país queria respostas. Israel perdeu 2.600 homens. Diz-se que foi três vezes a taxa de mortalidade dos americanos no Vietnã em dez anos. Mas Israel sofreu essa perda em apenas três semanas.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaEgitoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestinaSíriaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments