Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Rússia pretende enviar mercenários sírios a Belarus para proteger Lukashenko

Presidente de Belarus Alexander Lukashenko (primeiro à esquerda), ao lado de Pat McQuaid (à direita), então presidente da União Ciclista Internacional, em Minsk, Belarus, 20 de fevereiro de 2013 [Michael Steele/Getty Images]
Presidente de Belarus Alexander Lukashenko (primeiro à esquerda), ao lado de Pat McQuaid (à direita), então presidente da União Ciclista Internacional, em Minsk, Belarus, 20 de fevereiro de 2013 [Michael Steele/Getty Images]

A Rússia planeja recrutar e enviar mercenários sírios a Belarus, a fim de proteger o ditador Alexander Lukashenko, reportou a rede de imprensa síria Zamn al-Wasl, gerida pela oposição ao Presidente da Síria Bashar al-Assad, aliado de Moscou.

Segundo uma fonte próxima ao caso, a Rússia pretende treinar combatentes para enviá-los da Síria a Belarus, via operação privada do grupo russo de mercenários Wagner.

A fonte não concedeu detalhes sobre o número de combatentes recrutados ou potencial salário, mas revelou que a Rússia está focada em capacidades de guerrilha urbana, ao estudar seu histórico nos nove anos de guerra civil na Síria.

Não obstante, a rede síria relatou que a Rússia pretende recrutar mais de 10.000 soldados sírios de áreas sob controle do regime de Assad, a maioria de locais como Sweida, Homs, Hama, Deir ez-Zor e áreas costeiras.

LEIA: Turquia está pronta para apoiar Azerbaijão no conflito com a Armênia, afirma chanceler

Anteriormente, a Rússia recrutou e enviou combatentes sírios a outras zonas de conflito, em particular, na Líbia, como apoio efetivo à ofensiva de milícias do general renegado Khalifa Haftar contra o Governo de União Nacional, reconhecido internacionalmente. Mercenários do grupo Wagner também foram enviados ao país norte-africano.

Em contraponto, combatentes da oposição síria foram recrutados pela Turquia para auxiliar o governo oficial na Líbia. Segundo relatos, Ancara também enviou tais soldados à região disputada de Nagorno-Karabakh, em apoio ao Azerbaijão contra a Armênia.

Em agosto, protestos populares despertaram em Belarus, após uma eleição fraudulenta garantir vitória ao longevo ditador Lukashenko, responsável por reprimir, prender e deportar figuras da oposição e dissidentes.

À medida que continuaram os protestos em todo o país, Lukashenko decidiu pedir socorro ao Presidente da Rússia Vladimir Putin, que asseverou que forças russas deverão intervir “caso necessário”.

Belarus não é estranha a mercenários russos operando dentro de suas fronteiras. Segundo relatos, dezenas de mercenários russos pertencentes ao grupo Wagner foram presos por forças bielorrussas em meados de julho, e então devolvidos à Rússia.

Turquia: Armênia transporta centenas de militantes do PKK para lutarem contra o Azerbaijão

Categorias
ÁfricaÁsia & AméricasAzerbaijãoBelarusLíbiaNotíciaOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments