Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Dois esfaqueados perto do antigo escritório do Charlie Hebdo, em um ataque de vingança por reedição de charge

Manifestantes entoam slogans e seguram cartazes contra a França e o presidente francês em Istambul,13 de setembro de 2020 [OZAN KOSE / AFP via Getty Images]
Manifestantes entoam slogans e seguram cartazes contra a França e o presidente francês em Istambul,13 de setembro de 2020 [OZAN KOSE / AFP via Getty Images]

Duas pessoas foram esfaqueadas em Paris perto dos antigos escritórios do Charlie Hebdo na sexta-feira, em um ataque dirigido à revista por causa da republicação de charges zombando do Profeta Maomé (que a paz esteja com ele) no início deste mês.

A revista satírica francesa publicou originalmente as charges em janeiro de 2015, inspirando dois ataques terroristas, que deixaram 17 mortos.

Um dos ataques ocorreu quando dois irmãos invadiram os escritórios do Charlie Hebdo, matando 12 pessoas, entre elas nove cartunistas e jornalistas.

A revista optou por reimprimir as charges no início deste mês, para marcar o início do tão esperado julgamento de 14 supostos cúmplices por seu envolvimento no ataque de 2015 à publicação.

O ataque de sexta-feira foi visto amplamente como uma retaliação pela republicação das charges, embora a teoria ainda não tenha sido confirmada pelos oficiais de segurança franceses.

O principal suspeito, um homem de 18 anos de origem paquistanesa, foi preso perto do local dos esfaqueamentos, que ocorreram ao lado de um mural em homenagem às vítimas dos ataques de 2015.

LEIA: França exorta Turquia a reabrir ‘diálogo responsável’

Uma autoridade judicial, citada pelo New York Times, disse que o jovem de 18 anos, que chegou à França como menor desacompanhado em 2017, explicou seus motivos para o ataque.

As autoridades francesas, no entanto, ainda não confirmaram publicamente a declaração do suspeito.

Reportagens da televisão local disseram que o jovem de 18 anos não havia sido identificado anteriormente como um islâmico radical, apesar de ter sido preso durante o verão por posse de uma chave de fenda.

Outros seis suspeitos, incluindo um cidadão argelino de 33 anos e cinco outros de origem paquistanesa, foram detidos sob custódia e estão sendo interrogados, segundo a BBC.

Os seis teriam sido descobertos durante uma busca em uma propriedade, considerada a residência do principal suspeito, no norte de Paris.

Em resposta aos esfaqueamentos de sexta-feira, a revista Charlie Hebdo, que mudou de escritório e começou a usar proteção policial para sua equipe editorial, após o ataque de 2015, tuitou seu “apoio e solidariedade com seus antigos vizinhos … e as pessoas afetadas por este odioso ataque”.

As vítimas do ataque foram dois funcionários da agência de produção de notícias Premieres Lignes, que possui escritórios em uma rua perpendicular à antiga sede do Charlie Hebdo.

As condições das duas vítimas não foram divulgadas, no entanto, repórteres presentes no local foram informados pelo primeiro-ministro francês, Jean Castex, de que suas vidas não corriam perigo.

LEIA: França apoia proposta de ex-premiê para encerrar impasse político no Líbano

Categorias
Europa & RússiaFrançaNotícia
Show Comments
Show Comments