Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Médicos sem Fronteiras lança apelo de emergência para o Sudão

Uma visão geral de um prédio destruído é vista perto de uma área submersa depois que enchentes atingiram a cidade de Merove, Cartum, Sudão, em 13 de setembro de 2020. [Mahmoud Hjaj - Agência Anadolu]
Uma visão geral de um prédio destruído é vista perto de uma área submersa depois que enchentes atingiram a cidade de Merove, Cartum, Sudão, em 13 de setembro de 2020. [Mahmoud Hjaj - Agência Anadolu]

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF), com sede em Genebra, lançaram um apelo de emergência para ajudar as pessoas afetadas pelas enchentes no Sudão, informou ontem a Sudan News Agency (SUNA).

“MSF está lançando um apelo emergencial para financiar programas de nutrição e saúde em Bahr El Ghazal, sul do Sudão”, disse a organização em um comunicado, acrescentando que o apelo foi armado “para pagar por suprimentos médicos e nutricionais, incluindo medicamentos, leite , açúcar, óleo, biscoitos ricos em proteínas e equipamentos de alimentação. ”

“Cerca de 350.000 pessoas estão atualmente em risco na região, incluindo 120.000 pessoas desabrigadas pelos recentes combates e agora incapazes de colher suas safras”, destacou MSF, acrescentando que cerca de 7.000 crianças estavam sendo “tratadas nos centros de saúde de MSF”.

De sua parte, o chefe da missão de MSF para Bahr El Ghazal, Marc Hermant, alertou que o povo sudanês estava “sob risco de morrer de doenças facilmente evitáveis, como diarreia e malária”.

Muitos países, incluindo Turquia, Catar, Egito, Iraque e Arábia Saudita, enviaram ajuda ao Sudão, em um esforço para ajudar o país atingido pela enchente a reviver. Desde junho passado, as inundações deixaram 121 mortos e 54 feridos.

Em 5 de setembro, o Conselho de Segurança e Defesa do Sudão declarou estado de emergência em todo o país por um período de três meses para evitar os efeitos das enchentes. Declarou o país uma “área de desastre natural”.

LEIA: 730.000 pessoas foram gravemente afetadas pelas enchentes no Sudão, reporta ONU

Categorias
ÁfricaMédicos sem FronteirasNotíciaOrganizações InternacionaisSudão
Show Comments
Show Comments