Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel aprova mil unidades de assentamento na Cisjordânia ocupada

Uma foto tirada em 30 de junho de 2020 na vila de al-Khader na Cisjordânia, perto da cidade bíblica de Belém, mostra o assentamento israelense ilegal de Efrat [Hazem Bader/ AFP via Getty Images]
Uma foto tirada em 30 de junho de 2020 na vila de al-Khader na Cisjordânia, perto da cidade bíblica de Belém, mostra o assentamento israelense ilegal de Efrat [Hazem Bader/ AFP via Getty Images]

As autoridades israelenses aprovaram 980 unidades no assentamento ilegal de Efrat, na cidade ocupada de Belém, informou a agência de notícias Wafa.

Hasan Brijiyeh, um ativista local anti-assentamento e anti-apartheid, disse à Wafa que Israel anunciou a aprovação, o que  significa que o plano de Israel de anexar grandes áreas da Cisjordânia ocupada será implementado gradualmente, apontando que vastas áreas de terras agrícolas serão tomadas como parte da expansão do assentamento.

No início deste ano, o Ministro da Defesa Naftali Bennett aprovou 7.000 unidades de assentamento no assentamento ilegal de Efrat.

A ong israelense Peace Now, que acompanha a atividade dos colonos nos territórios palestinos ocupados, disse: “Este é um movimento cínico de um ministro da defesa interino em final de mandato, enquanto a nação ainda está se recuperando da crise do coronavírus, buscando avançar com um perigoso plano que visa consolidar a dominação israelense permanente no sul da Cisjordânia e prejudicar a perspectiva de uma solução de dois estados ”.

LEIA: Não haverá paz sem justiça aos palestinos, alerta Anistia Internacional

“A coisa certa a fazer é destinar o terreno para construção palestina, mas o Ministério da Defesa é atualmente dirigido por um político irresponsável disposto a cruzar qualquer linha vermelha em nome de sua ideologia antidemocrática.”

Além disso, o membro do Comitê Executivo da OLP, Hanan Ashrawi, acusou Israel de uma “exploração ultrajante da pandemia global de covid-19 para fazer avançar o projeto de assentamentos ilegais e prejudicar irreparavelmente qualquer perspectiva de avanço político”.

Aproximadamente 650 mil colonos israelenses vivem em assentamentos ilegais construídos na Cisjordânia ocupada e em Jerusalém Oriental desde 1967. Todos os assentamentos violam o direito internacional.

A decisão vem dias depois que o Bahrein normalizou as relações com Israel e um mês desde o acordo de paz de Israel com os Emirados Árabes Unidos, que Abu Dhabi disse ter sido feito para evitar a anexação da Cisjordânia ocupada.

No entanto, embora Netanyahu tenha adiado a mudança, ele reafirmou no mês passado que não abandonou seu plano de anexação, simplesmente adiado.

LEIA: Israel está avançando com a anexação, alertam pesquisadores

Categorias
Ásia & AméricasBahreinEUAIsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments