Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A aliança entre os Emirados e Israel é uma adaga envenenada nas costas dos árabes

Dois F-35 israelenses fabricados nos EUA voam em formação, exibindo as bandeiras dos EUA e de Israel em 6 de dezembro de 2016 [EUA Força Aérea / Wikipedia]
Dois F-35 israelenses fabricados nos EUA voam em formação, exibindo as bandeiras dos EUA e de Israel em 6 de dezembro de 2016 [EUA Força Aérea / Wikipedia]

Após o anúncio público do caso de amor sionista-Emirados, um acordo EUA-Israel-Emirados Árabes Unidos foi assinado para fornecer aeronaves F-35 para o Estado do Golfo. Isso foi considerado polêmico nos círculos de tomada de decisão em Washington e Tel Aviv, o que levou o presidente dos EUA, Donald Trump, a defender o acordo com a mentalidade de um empresário: “Eles têm o dinheiro e gostariam de encomendar alguns F-35s”.

Em resposta às acusações dirigidas aos EUA de que o acordo prejudicaria o compromisso de manter a esmagadora superioridade militar de Israel sobre seus vizinhos árabes, o secretário de Estado Mike Pompeo disse: “Os Estados Unidos têm uma exigência legal com relação à vantagem militar qualitativa, e nós continuaremos a honrar isso. ”

O fato confirma o que eu disse antes sobre o chamado acordo de paz entre os Emirados Árabes Unidos e Israel indo além da normalização e alcançando o nível de uma aliança estratégica em todos os níveis. Permitirá que oa EAU se junte a Israel em qualquer guerra contra os palestinos ou qualquer Estado muçulmano, como a Turquia ou o Irã, por exemplo. É basicamente por isso que o acordo foi feito; cria um eixo militar israelense-emirado e aí reside o seu perigo.

Apesar do que foi dito sobre a raiva israelense com a compra de aeronaves F-35 pelos Emirados Árabes Unidos e a assinatura secreta do acordo longe dos olhos curiosos dos ministros de defesa e relações exteriores de Israel, Benjamin Netanyahu queria que fosse preparado sem qualquer controvérsia antes do principal acordo. Isso porque marca a primeira vez que o líder israelense aplica o princípio de “paz por paz” ao invés de “terra por paz”.

LEIA: Silenciados e esquecidos: palestinos e a cobertura midiática frente ao desastroso acordo EAU-Israel

As negociações sobre o negócio do F-35 começaram em 2017, quando os Emirados Árabes Unidos iniciaram negociações com os EUA para comprar dois esquadrões de aeronaves de quinta geração. Na época, as negociações colidiam com as condições de licenciamento dos aviões e dos sistemas de armas a eles acoplados, mas os Emirados Árabes Unidos justificaram sua necessidade de desenvolver sua força aérea devido ao seu fraco desempenho na guerra do Iêmen e à força insuficiente, sendo composta principalmente dos caças americanos F-16 e francês Mirage 2000. Na verdade, a lista de equipamentos militares que os Emirados Árabes Unidos desejam da América e de Israel também inclui drones, sistemas de defesa aérea, mísseis avançados e sistemas espiões eletrônicos.

Israel quer que os Emirados Árabes Unidos possuam os F-35s, e pode vendê-los agora, em vez de esperar até 2024, que é quando os EUA farão isso na melhor das hipóteses. Israel tem dois esquadrões operacionais, com 50 aeronaves, e é certo que os pilotos e engenheiros dos Emirados serão treinados em Israel por meio de contratos distintos do acordo de vendas com os Estados Unidos. Esse treinamento nos F-35s incluirá outros pilotos e engenheiros sendo treinados em tecnologia aeroespacial geral, bem como as equipes de gerenciamento de sistemas de defesa aérea. Também podemos esperar ver todas as forças armadas dos Emirados Árabes Unidos sendo treinadas para usar várias armas. Além disso, serão oferecidas instalações de manutenção e apoio, além de peças de reposição, munições, desenvolvimento tecnológico, coordenação logística e coordenação militar e política por meio de assessores permanentes. Isso fortalecerá o estabelecimento da aliança militar Emirados Árabes Unidos-Israel.

Os Emirados Árabes Unidos normalizam os laços com Israel - Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

Os Emirados Árabes Unidos normalizam os laços com Israel – Charge [Sabaaneh / Monitor do Oriente Médio]

O interesse dos israelenses nisso, é claro, é baseado em seu inimigo comum, o Irã. Os Emirados Árabes Unidos querem parecer uma barreira ao Irã, já que o avião de ataque dos EUA com base nos Emirados estará a poucos passos da fronteira iraniana. Em vez de Israel usar seus próprios aviões de suas bases e precisar reabastecê-los em uma longa missão a Teerã, por exemplo, os aviões dos Emirados, pilotados por israelenses se necessário, poderiam realizar missões operacionais dentro do Irã, incluindo reconhecimento e ataques aéreos antes de retornar.

LEIA: Israel vende equipamento militar avançado aos Emirados há mais de 8 anos, diz jornal

É claro que desde que o arrogante príncipe herdeiro Mohammed Bin Zayed se tornou o governante de fato dos Emirados Árabes Unidos, depois de empurrar seu irmão Khalifa Bin Zayed de lado, o país tem trabalhado para converter seu superávit financeiro em uma força militar que o ajude a jogar um papel regional. Isso é evidente em seu envolvimento na Síria, Iêmen, Líbia e Somália.

De acordo com estimativas do Fórum sobre o Comércio de Armas, as compras de armas pelos países do Oriente Médio saltaram em 2019 para US$ 25,5 bilhões, em comparação com US$ 11,8 bilhões em 2018. Os Estados do Golfo sozinhos foram responsáveis por 56% dessas compras.

Os Emirados Árabes Unidos usam todo esse dinheiro desperdiçado em guerras inúteis para destruir os países árabes, como é o caso do Iêmen, Síria e Líbia, tudo em benefício de seu aliado estratégico – o inimigo histórico dos árabes – Israel. Os Emirados Árabes Unidos se tornaram uma adaga envenenada nas costas do povo árabe, trabalhando para dividi-lo e fragmentá-lo. Resistir aos esforços para sabotar a região tornou-se uma obrigação para todos os árabes e muçulmanos que valorizam sua religião, terra e honra.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoÁsia & AméricasEmirados Árabes UnidosEUAIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments