Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel está seriamente preocupado com a cooperação nuclear entre China e Sauditas, diz mídia

Trabalhadores com capacete monitoram a produção de "yellowcake", um concentrado de urânio em pó, durante um processo de filtragem de três tambores, 1975. [Departamento de Energia dos EUA/ Smith Collection/ Getty Images]
Trabalhadores com capacete monitoram a produção de "yellowcake", um concentrado de urânio em pó, durante um processo de filtragem de três tambores, 1975. [Departamento de Energia dos EUA/ Smith Collection/ Getty Images]

Tel Aviv informou aos Estados Unidos estar “gravemente” preocupado com a suposta cooperação nuclear entre a Arábia Saudita e a China, divulgou o site de notícias Walla de Israel.

Altos funcionários da inteligência israelense teriam ligado para seus colegas americanos para tratar do assunto.

De acordo com o site, oficiais israelenses “não identificados” disseram que havia uma fábrica secreta de materiais primitivos usados ​​no enriquecimento de urânio na Arábia Saudita, perto da capital, Riad, explicando que o Wall Street Journal e o New York Times foram os primeiros a noticiar isso, incluindo imagens de satélite da fábrica.

As autoridades destacaram que o gabinete do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu trata o processo como “muito sensível” politicamente, já que Israel considera a Arábia Saudita um importante aliado diante do Irã.

As autoridades acrescentaram que os serviços de inteligência israelenses, os ministérios de relações exteriores, inteligência e defesa e a Comissão de Energia Atômica estão acompanhando os desenvolvimentos do programa nuclear saudita.

LEIA: Presidente do Irã agradece países que se opuseram à extensão do embargo proposto pelos EUA

“Há indicações preocupantes, mas ainda não está claro o suficiente o que exatamente está acontecendo nesta instalação”, disse Walla, acrescentando que esta questão “também não está clara para os americanos e para a Agência Internacional de Energia Atômica”.

A suposta planta secreta é usada para fabricar uma matéria-prima usada no enriquecimento de urânio apelidada de yellowcake ( bolo amarelo), que não é uma violação do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP), e a Arábia Saudita não é obrigada a informar a AIEA . No entanto, Walla explicou que este poderia ser o primeiro passo para o lançamento de um programa nuclear independente, acrescentando que é provável que se transforme em um programa nuclear militar no futuro.

Segundo autoridades israelenses, a Arábia Saudita tem cooperado com a China, porque os chineses não pediram garantias de que o programa seria puramente civil, que é o que os Estados Unidos sempre exigem.

Categorias
Arábia SauditaÁsia & AméricasChinaEUAIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments