Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

A França dirige a política externa da UE contra a Turquia e o bloco é fraco para impedi-lo

O presidente francês Emmanuel Macron, e o presidente turcom Recep Tayyip Erdogan, se cumprimentam durante uma coletiva de imprensa conjunta em Paris, França, em 5 de janeiro de 2018 [Ludovic Marin/ AFP/ Getty Images]
O presidente francês Emmanuel Macron, e o presidente turcom Recep Tayyip Erdogan, se cumprimentam durante uma coletiva de imprensa conjunta em Paris, França, em 5 de janeiro de 2018 [Ludovic Marin/ AFP/ Getty Images]

É raro ver um governo fazer uma birra sustentada contra outro devido a diferenças na política externa, especialmente sem antes tentar resolvê-las por meios diplomáticos. Isso é exatamente o que a França faz há meses contra a Turquia por sua influência no Mediterrâneo e na Líbia.

No ano passado, em particular, a França abriu o caminho para a oposição da União Europeia aos interesses regionais da Turquia e suas iniciativas de política externa. Isso foi observado claramente na condenação à Operação de Paz Primavera da Turquia, no nordeste da Síria, em outubro passado, e novamente com o apoio militar e político de Ancara ao Governo de Acordo Nacional (GNA), apoiado pela ONU na Líbia.

Quando este último derrotou, no mês passado, as forças leais ao marechal rebelde Khalifa Haftar que tentavam tomar a capital líbia, Trípoli, a França se tornou particularmente agressiva em suas críticas. Os franceses disseram que a Turquia estava desempenhando um papel “criminoso” no país.

LEIA: Macron e Sisi sofrem de ‘cegueira estratégica’, afirma ex-premiê da Turquia

Essa abordagem foi adotada em Paris, apesar do fato de que o estabelecimento de uma zona segura para refugiados na Síria e o fortalecimento do GNA na Líbia ajudariam a conter o fluxo de refugiados e solicitantes de asilo que se dirigiam para a Europa. Eles também seriam incentivados a retornar a um ambiente político mais seguro em seus respectivos países de origem.

Além disso, o fato da Turquia ter frustrado o acordo conjunto Israel-Grécia-Egito para o oleoduto EastMed e a exploração dos recursos energéticos da região já irritaram a França. Isso levou a uma aliança com a Grécia para condenar os interesses turcos e criar um bloco anti-Turquia dentro da UE.

O relacionamento tenso de Ancara com Paris – um membro importante da Otan – é uma má notícia para as relações com a Europa como um todo. Não é só a França que preocupa a Turquia; existe também o potencial de prejudicar as relações com todo o continente, porque a França continua sendo um dos atores mais poderosos e influentes da UE. Paris tem guiado a direção do bloco desde os dias de mercado comum e continua a fazê-lo. Ao contrário da crença popular de que é a Alemanha o principal líder da UE, a França na verdade igualou a Alemanha em sua rivalidade e muitas vezes mudou o bloco para seus próprios interesses.

LEIA: França abandona Haftar e ataca empresa Wagner

Embora a UE seja muito mais unida e bem sucedida do que outras organizações políticas e econômicas, como o Conselho de Cooperação do Golfo (GCC) ou a Organização de Cooperação Islâmica (OIC), ainda falta uma estratégia e visão de política externa coerente e unificada.

A França viu uma oportunidade de mudar isso, tentando tomar as rédeas e dominar as metas de política externa da UE, o que muitas vezes causou um choque com outros membros da UE, como Alemanha, Itália e Espanha. Enquanto a França declarou imediatamente sua oposição à operação da Turquia na Síria em outubro passado, por exemplo, e a classificou como “louca”, a Alemanha adotou uma postura menos agressiva e a Espanha até declarou seu apoio à operação.

Hoje, porém, a Alemanha se uniu à França na condenação da Operação Primavera da Paz – sim, depois de nove meses – e a chamou de incursão militar ilegal e ilegítima. Ambos parecem ignorar que apenas em termos de segurança nacional, a decisão da Turquia era compreensível.

Membros das Forças Armadas Turcas (TSK) na Operação Primavera da Paz, da Síria, em 17 de outubro de 2019 [Força Armada Turca / Agência Anadolu]

Membros das Forças Armadas Turcas (TSK) na Operação Primavera da Paz, da Síria, em 17 de outubro de 2019 [Força Armada Turca / Agência Anadolu]

Além do fato de que os conceitos de legalidade e legitimidade são usados ​​cinicamente pelos estados para honrar e difamar outros, a postura subitamente agressiva da Alemanha é uma manifestação de seu adiamento às iniciativas de política externa da França.

A França já usou essa alavancagem para pedir novas medidas contra a Turquia. O ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, marcou uma reunião com seus colegas da UE em 13 de julho, com rumores de novas sanções sendo impostas a Ancara. “A França considera essencial que a União Europeia abra muito rapidamente uma discussão abrangente, sem tabus e ingenuidade, sobre as perspectivas de seu futuro relacionamento com Ancara”, disse Le Drian na semana passada. “A União Europeia deve defender firmemente seus interesses porque tem os meios.”

Isso vai muito além das sanções, porque também afetaria a ambição da Turquia de adesão à UE, à qual a França se opõe há muito tempo e tem sido a sua crítica mais vocal, junto com a Grécia.

No aniversário da independência da Argélia da França, e com os restos mortais de 24 combatentes da liberdade argelinos finalmente sendo devolvidos ao seu país de origem, deve-se notar que a influência francesa ainda é muito sentida em suas antigas colônias no norte e África do Subsaariana, bem como em toda a Europa. A relutância inicial da Tunísia e da Argélia em apoiar o GNA da Líbia e se opor a Haftar, por exemplo, foi uma evidência de que eles tiveram que lidar com a idéia de desagradar o antigo estado colonial, apesar das autoridades do GNA procurarem apoio de seus vizinhos em muitas ocasiões.

LEIA: Argélia enterra restos mortais de 24 combatentes da independência

O medo de irritar seu antigo mestre colonial também foi sentido quando os parlamentares tunisinos – sobretudo do Partido Ennahda – se recusaram no mês passado a cobrar um pedido de desculpas e reparações à França pelos crimes cometidos durante sua ocupação. No entanto, isso foi contestado pela Argélia nesta semana, quando exigiu que a França se desculpasse por sua brutal ocupação do país.

Há muito que se proclama que o papel da França no Oriente Médio e em outros lugares não é mais relevante, e que o mesmo se aplica a outras antigas potências coloniais. No entanto, o que estamos vendo com a orientação agressiva da França da posição da UE contra a Turquia e o domínio da política externa do bloco sugere que isso não é bem verdade.

A França transformou a linha da UE de acordo com seus próprios interesses nacionais, tendo a Turquia como principal alvo. O resto da Europa não está disposto ou é incapaz de controlar a França, apesar das desvantagens decorrentes da oposição à Turquia, que é, afinal, tanto estratégica e politicamente quanto militarmente, sem dúvida o principal ator na região

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEuropa & RússiaFrançaLíbiaOpiniãoOrganizações InternacionaisTurquiaUnião Europeia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments