Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ex-enviado à Líbia diz que países do Conselho de Segurança traíram esforços de paz

Enviado Especial da ONU para a Líbia, Ghassan Salame [Agência Riccardo de Luca / Anadolu]
Enviado Especial da ONU para a Líbia, Ghassan Salame [Agência Riccardo de Luca / Anadolu]

Ghassan Salamé, ex-enviado da ONU à Líbia, acusou alguns membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas de hipocrisia pela crise na Líbia, afirmando que ele estava “sendo esfaqueado pelas costas” por países que elogiavam seus esforços pela paz e depois apoiavam o general rebelde, Khalifa Haftar, nos ataques ao país.

Salamé, que renunciou em março, alegando problemas de saúde, disse em entrevista ao Centro de Diálogo Humanitário: “Você podia ver claramente que várias grandes potências estavam apoiando seu ataque [de Haftar] e ele mencionou algumas delas pelo nome e até citado em conversas com líderes. Foi quando você sentiu, como ONU, que hipocrisia dos países nesse estágio atingiu limites que tornam seu trabalho muito, muito problemático. ”

LEIA: Líbia e União Europeia discutem repercussões do ataque de Haftar a Trípoli

“Países importantes não apenas apoiavam o ataque a Trípoli, mas também conspiravam exatamente contra a realização da Conferência Nacional. Não queriam que ela acontecesse. Eu estou muito irritado. Estou muito zangado porque significa que o estado do multilateralismo e da cooperação internacional caiu muito. ”

“Eu sei o que eles estão fazendo, estão enviando navios, enviando aviões, interferindo, enviando mercenários“, continuou ele em uma aparente referência à Rússia, Emirados Árabes Unidos e Egito, que apoiaram a ofensiva de Haftar. contra o Governo de Acordo Nacional (GNA), apoiado internacionalmente. Isso, Salomé acrescentou, fez com que ele se sentisse “irrelevante”.

O enviado especial renunciou ao cargo em março. Em um tweet na época, o ex-ministro libanês da cultura, Salame, escreveu: “Por dois anos, tentei unir os líbios e restringir a interferência estrangeira […], mas por motivos de saúde, não posso mais continuar com esse nível de estresse”.

“Portanto, pedi ao secretário-geral da [ONU] que me dispensasse de meus deveres.”

LEIA: Líbia pede sanções contra mercenários estrangeiros

Categorias
ÁfricaEgitoEmirados Árabes UnidosLíbiaNotíciaONUOriente Médio
Show Comments
Show Comments