Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

HRW pede ao Canadá que repatrie cidadãos presos no nordeste da Síria

Mulheres que se casaram com membros do Daesh e seus filhos [Twitter]
Mulheres que se casaram com membros do Daesh e seus filhos [Twitter]

O Canadá ignorou suas obrigações de direitos humanos para com os cidadãos que estão em campos no nordeste da Síria por causa de ligações com o Daesh e deve facilitar seu retorno, diz um novo relatório da Human Rights Watch (HRW).

O documento de 92 páginas, publicado ontem, alega que as autoridades canadenses não repatriaram nenhum dos 47 cidadãos conhecidos que estão sendo detidos, apesar de facilitar o retorno de dezenas de milhares de moradores após a pandemia de coronavírus.

“O Canadá repatriou ou ajudou o retorno de mais de 40.000 cidadãos e residentes permanentes de 100 países em resposta ao Covid-19, incluindo 29 da Síria – mas não um dos pelo menos 47 cidadãos mantidos sem acusação no nordeste da Síria”, o relatório, intitulado “Traga-me de volta ao Canadá”, diz.

Entre os detidos, há 26 crianças, a maioria com menos de seis anos, e Amira, de cinco anos de idade – uma órfã que disse à HRW que seus pais e irmãos foram mortos em um ataque aéreo a Baghouz em 2019.

LEIA: Crise de fome e surto de coronavírus na Síria se intensificam, alerta ONU

Os familiares dos 47 prisioneiros disseram à HRW que as autoridades canadenses não entraram em contato com seus parentes, verificaram a cidadania de crianças nascidas de pais canadenses enquanto estavam na Síria ou fizeram esforços para melhorar as condições de sua detenção.

Um familiar no Canadá citado no relatório questiona:

“Eles querem que eles morram? É assim que parece. … Essas crianças, onde eles vão conseguir comida, remédios, vitaminas? … Você não os  está ajudando a sobreviver.”

O relatório afirma que as autoridades canadenses não conseguiram entrar em contato com os cidadãos mantidos em campos no nordeste da Síria e retiveram assistência consular aos detidos, violando as leis internacionais.

O ministro das Relações Exteriores do Canadá François-Philippe Champagne, no entanto, afirmou em uma carta à HRW, que a falta de um consulado canadense na Síria é a razão pela qual o processo de repatriamento foi tão lento.

O relatório fornece um conjunto de recomendações ao governo canadense, que inclui pedidos de repatriamento imediato de “todos os cidadãos canadenses detidos no nordeste da Síria, priorizando crianças, pessoas que necessitam de assistência médica urgente e outros detidos particularmente vulneráveis”.

Nos últimos meses, até 20 estados, incluindo o Reino Unido, França, Alemanha e EUA, repatriaram cidadãos, após pedidos das forças lideradas pelos curdos para que os estados recuperassem seus nacionais. Na semana passada, a França facilitou o retorno de 10 crianças

LEIA: Soldado sírio desaparece após propor casamento a filha de Assad via internet

Categorias
Ásia & AméricasCanadáHRWNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioSíria
Show Comments
Show Comments