Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ministro libanês admite ter matado dois durante guerra civil

Mohamed Fahmi, ministro do Interior do Líbano, na inauguração do gabinete no palácio presidencial de Baabda leste da capital Beirute, em 22 de janeiro de 2020. [AFP via Getty Images]
Mohamed Fahmi, ministro do Interior do Líbano, na inauguração do gabinete no palácio presidencial de Baabda leste da capital Beirute, em 22 de janeiro de 2020. [AFP via Getty Images]

O ministro do Interior do Líbano, Mohamed Fahmi, admitiu que matou dois homens durante os 15 anos de guerra civil do país e afirmou que estava sob proteção do atual presidente Michel Aoun, em uma entrevista na televisão com o Al Manar do Hezbollah no sábado.

As filmagens, compartilhadas por Maha Yahya, diretora do Carnegie Middle East thinktank, no Twitter, mostram a rara admissão de violência de um funcionário do governo. Fahmi diz: “Peço desculpas às pessoas, ao público. Houve um incidente e eu matei dois.”

A dupla, de acordo com Fahmi, pertencia a um “grupo poderoso”, do qual, segundo o ministro do Interior, ele foi protegido pelo presidente Michel Aoun. Na época, Aoun era um oficial sênior do exército.

“Eu matei duas pessoas e houve um confronto com essa facção. E mesmo que ela fosse  muito forte. [Aoun] me chamou para ir ao seu escritório … [Aoun] disse: ‘ouça Mohammed, enquanto eu estiver respirando, ninguém vai te cutucar com um garfo’. Este é Michel Aoun.” afirmou o ministro.

Fahmi descreveu seu relacionamento com Aoun como “espiritual”, levantando questões sobre os laços entre o governo tecnocrático ostensivamente independente de Hassan Diab e os demais funcionários, incluindo Aoun, que são amplamente vistos como parte da elite corrupta.

LEIA: Hospitais libaneses podem ficar sem oxigênio e anestésicos na próxima semana

No entanto, na entrevista, Fahmi disse que era “leal” a Aoun. Acrescentando, “enquanto eu respirar, nem eu nem minha família esqueceremos o que ele fez … ele me protegeu de ser morto”.

Aoun foi general de brigada do exército libanês nos primeiros anos da guerra civil, antes de subir para liderar toda a organização em 1984.

O agora presidente fugiu do país no final da guerra, como resultado da ocupação síria do Líbano, retornando apenas em 2005 para estabelecer o Movimento Patriótico Livre e iniciar sua carreira política. Ele é presidente do Líbano desde 2016.

Enquanto isso, Fahmi serviu no exército libanês até 2006, quando ingressou no Banco Blom, o maior banco do país, como chefe de segurança.

O agora ministro do Interior foi criticado várias vezes desde que ingressou no governo em janeiro, principalmente em março, quando as tropas desmantelaram um campo de manifestantes no centro de Beirute, enquanto as restrições aos coronavírus estavam em vigor.

Além disso, Fahmi comparou os protestos renovados a cenas da guerra civil, alegando que as manifestações visam “criar o caos e uma guerra civil no Líbano” e “atrair o Hezbollah ao caos”.

LEIA: Premiê do Líbano acusa adversários por distúrbios após três dias de protestos

Categorias
LíbanoNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments