Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Em repressão a redes sociais, Egito prende dançarina do ventre por ‘devassidão’

Sama El-Masry [samaelmasrii / Instagram]
Sama El-Masry [samaelmasrii / Instagram]

Uma dançarina do ventre egípcia de alto nível profissional, Sama el-Masry, foi condenada a três anos de prisão e multada em 300.000 libras egípcias (US $ 18.500) no sábado por incitar devassidão e imoralidade. A prisão é parte de uma ação de repressão a publicações nas redes sociais, informa a Reuters.

El-Masry foi presa em abril durante uma investigação sobre vídeos e fotos nas mídias sociais, incluindo a popular plataforma de compartilhamento de vídeos TikTok, que o Ministério Público descreveu como sexualmente sugestivos.

A dançarina, 42 anos, negou as acusações, dizendo que o conteúdo foi roubado e compartilhado em seu telefone sem consentimento.

O Tribunal Econômico de Contravenções do Cairo no sábado disse que ela violou os princípios e valores da família no Egito, além de estabelecer, gerenciar e usar sites e contas nas mídias sociais com o objetivo de cometer “imoralidade”.

“Há uma enorme diferença entre liberdade e devassidão”, disse John Talaat, membro do parlamento que pediu uma ação legal contra el-Masry e outras mulheres participantes do TikTok.

LEIA: No Egito, a vida de uma mulher não significa nada, mas um policial tem direito a tudo

Talaat disse à Thomson Reuters Foundation que el-Masry e as outras influenciadoras das mídias sociais estavam destruindo valores e tradições familiares, atividades proibidas pela lei e pela constituição.

El-Masry disse que apelaria.

Leia: No Egito, uma mulher assassinada não significa nada, mas um policial significa tudo

Várias mulheres no Egito já foram acusadas de “incitar deboche” por desafiar as normas sociais conservadoras do país, incluindo a atriz Rania Youssef, depois que os críticos tomaram contra sua escolha de vestido para o Festival de Cinema do Cairo em 2018.

Em 2018, o Egito adotou uma lei de crimes cibernéticos que concede ao governo total autoridade para censurar a Internet e exercer vigilância de comunicação.

A lei aplica penas de prisão de no mínimo 2 anos e multa de até 300.000 libras egípcias.

Um grupo de influenciadores do TikTok e do Instagram e YouTubers foi preso pelas autoridades egípcias nos últimos meses sob a acusação de promover devassidão e prostituição nas mídias sociais.

Talaat disse que esses influenciadores devem enfrentar as mesmas penas de prisão que el-Masry, pois cometeram o mesmo crime.

O governo egípcio não estava disponível para comentários imediatos.

Entessar el-Saeed, advogada de direitos das mulheres e chefe do Centro de Desenvolvimento e Direito do Cairo, disse que as mulheres são a única categoria visada pelas autoridades de acordo com esta lei.

“Nossa sociedade conservadora está lutando com mudanças tecnológicas que criaram um ambiente e mentalidades completamente diferentes”, disse ela à Thomson Reuters Foundation.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments