Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel saqueia recursos naturais palestinos

Israel saqueia recursos naturais palestinos
Israel saqueia recursos naturais palestinos

A ocupação da Cisjordânia por Israel em 1967 foi uma conquista do projeto de assentamento, um projeto colonial que é uma extensão dos tempos medievais do colonialismo europeu, quando as potências européias procuravam controlar a riqueza e os bens de outros Estados.

A ocupação israelense procurou, através de seu projeto de assentamento na Cisjordânia, saquear os recursos naturais palestinos, pois Israel controlava todos os recursos naturais, dos quais os mais importantes são água, pedreiras e terrenos para a construção e a expansão de assentamentos na terra palestina ocupada em 1967.

Ao tomar esses recursos, Israel saqueou e continua a saquear os recursos naturais dos territórios palestinos ocupados por meio de leis militares promulgadas pela “Administração Civil”, que governa militarmente os territórios ocupados, em violação ao direito internacional, que proíbe a potência ocupante de saquear e destruir os recursos naturais das pessoas ocupadas.

Israel começou a estudar a geologia e os recursos disponíveis na Palestina desde o período do mandato britânico, enviando grupos de cientistas e especialistas que trabalharam 10 anos sobre todos os aspectos do meio ambiente, solo e recursos naturais na Palestina, época em que começava a mineração. também inspecionando poços de água na área de Belém, agora chamada de assentamento de Gush Etzion.

A produção de cascalho e pedras começou na Cisjordânia no início dos anos 70. Em 1972 Israel aboliu os impostos sobre pedreiras para serem iguais aos da Cisjordânia, de modo que os produtos de pedreira na Cisjordânia não seriam mais baratos que as pedreiras em Israel.

A decisão de estabelecer seis pedreiras na Cisjordânia foi o trabalho inicial da administração civil nesse aspecto; posteriormente, muitas outras foram estabelecidas; algumas foram fechadas após o esgotamento do suprimento de pedras, durante a intensificação dos assentamentos ilegais. Quando o trabalho de escavação de pedras e cascalho dobrou, também aumentou o fluxo de pedras da Cisjordânia de pedreiras sob o controle da “Administração Civil” em Israel para contribuir para o renascimento do mercado de construção e arquitetur. Pedras e cascalhos da Cisjordânia foram usadas para construir assentamentos,fornecendo cerca de (80%) das necessidades de construção de Israel. Essas pedreiras foram estabelecidas nas seguintes províncias:

– Hebron, duas pedreiras estão localizadas perto das cidades de Dura e Al-Dhahiriya.

– Belém, com uma pedreira localizada perto do campo de Dheisha.

– Jenin, com uma pedreira localizada perto da cidade de Ya’bad.

– Qalqilya, comi duas pedreiras, localizadas perto da cidade de Jayyous e do assentamento de Tsufim.

Além de confiscar terras em Wadi Al-Teen, perto de Tulkarm, com o objetivo de estabelecer pedreiras entre áreas povoadas para o benefício da ocupação, essas pedreiras estão localizadas perto das áreas povoadas, causando grandes danos, incluindo a poluição, devido às enormes quantidades de poeira que se espalha no ar, distúrbios resultantes de sucessivas explosões e sons de veículos de transporte. As pedreiras também ameaçam a cobertura vegetal nas áreas em que existem, assim como muitos animais escapam dessas áreas; devido a poeira e ruído em busca de um novo ambiente.

Receitas de pedreiras na economia israelense

Esses trituradores instalados nas terras palestinas ocupadas alcançam grandes lucros e mão-de-obra barata, sem poluir as áreas em que os israelenses residem e sem barulho contínuo que poderia irritá-los se estivessem perto das áreas palestinas.

Dez pedreiras da Cisjordânia produzem cerca de 44 milhões de toneladas de materiais de construção, uma grande parte desses produtos vai para o mercado israelense, gerando uma receita líquida para a economia israelense.

A pedreira localizada dentro do assentamento de Beit Hagai é a terceira maior em Israel e a maior pedreira na Cisjordânia ocupada; onde produz e vende “3 milhões de toneladas” de cascalho e pedras anualmente, o que representa um quarto da produção doméstica global de pedreiras de Israel e da Cisjordânia. A produção da pedreira de Biet Hagai apresenta “74” da produção total em todo o território israelense e palestino ocupado terra, e isso representa de 20 a 30% do consumo de pedra por Israel.

As receitas da pedreira constituem cerca de 80% da receita do assentamento, a pedreira é gasta em um centro infantil no assentamento para estudantes com idades entre 11 e 18 anos, e a pedreira contribui para as despesas do exército e da delegacia de polícia da região. O assentamento de Beit Hagai foi estabelecido em terras palestinas privadas que foram confiscadas para fins militares.

A Agência de Proteção Ambiental de Israel publicou um relatório em 2004 indicando que as pedreiras e instalações industriais que supervisiona ou foram licenciadas pela “Administração Civil” causam diretamente grandes danos ambientais aos palestinos, e que essas instalações não possuem os fundamentos e normas de proteção e industrial internacional (minas de pedreiras, ruído, poeira e resíduos de produtos químicos tóxicos para águas residuais). As pedreiras representam uma fonte maciça de renda para a ocupação, cada um gerando um enorme retorno financeiro sem quaisquer encargos ou responsabilidades ambientais, financeiras ou legais, para a administração civil militar que constitui a cobertura política e legal de todas as pedreiras.

As pedreiras israelenses cobrem as necessidades da atual construção de assentamentos na Cisjordânia, onde 9285 dunas de terra no distrito de Wadi al-Teen, Tulkarm, foram confiscados para a construção de uma nova pedreira.

Este é um pequeno exemplo da política de pilhagem e roubo praticada pelas autoridades de ocupação israelenses para controlar os recursos naturais dos territórios palestinos ocupados. A maior questão que permanece é: por quanto tempo a potência ocupante continuará a patrocinar o terrorismo de Estado e ocupar o território palestino sem a supervisão ou deposição da comunidade internacional?

LEIA: Taxa média de água para cada palestino é de 87 litros por dia

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelJerusalém: legalizando a ocupaçãoOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments