Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Estados Unidos acusam ex-político venezuelano de recrutar oficiais do Hamas e Hezbollah

Bandeira da Venezuela [foto do arquivo]
Bandeira da Venezuela [foto do arquivo]

Promotores dos Estados Unidos acusaram o ex-político venezuelano Adel El Zabayar de conspiração para ajudar no recrutamento de oficiais do Hamas e Hezbollah, a fim de planejar ataques contra alvos americanos.

Zabayar, de 56 anos, cidadão venezuelano de origem síria, também é indiciado por duas acusações relacionadas a tráfico de armas, conspiração para narcoterrorismo e importação de cocaína, com supostas ligações ao chamado Cartel de los Soles – ou Cartel dos Sóis, em português.

O Cartel dos Sóis é presumidamente uma rede composta por oficiais do regime de Nicolás Maduro, incluindo o próprio presidente e seu braço direito Diosdado Cabello, sob acusações de tráfico de drogas. Ambos foram indiciados em março.

Geoffrey Berman, promotor americano de Manhattan, afirmou em comunicado na quarta-feira última (27): “Alegamos hoje, pela primeira vez, que o Cartel de los Soles buscou recrutar terroristas do Hezbollah e Hamas para auxiliar no planejamento e execução de ataques nos Estados Unidos, e que Zabayar foi instrumental para uma mediação.”

Segundo o indiciamento, em 2014, Zabayar realizou diversos encontros com Cabello, que o instruiu a viajar para a Síria e Palestina, a fim de obter armas e recrutar membros do Hezbollah e Hamas, a serem treinados em solo venezuelano. As informações são do jornal americano Miami Herald.

LEIA: Apesar de ameaças dos EUA, navio petroleiro iraniano chega em segurança à Venezuela

Promotores federais alegaram que Cabello assumiu que o objetivo seria “criar uma grande célula terrorista capaz de atacar os interesses dos Estados Unidos em nome do Cartel de los Soles.”

Ainda segundo os promotores, uma semana após Zabayar retornar do Oriente Médio, uma remessa de armas, incluindo lançadores de granadas e foguetes, armas AK-103 e fuzis de precisão chegou do Líbano ao hangar presidencial, em Caracas, no aeroporto de Maiquetía.

Zabayar supostamente também agiu como ligação entre o governo venezuelano e o Presidente da Síria Bashar al-Assad. Em 2013, juntou-se a forças do Hezbollah para combater na guerra civil síria, segundo o indiciamento.

Um oficial de segurança dos Estados Unidos reiterou, no entanto, que Zabayar não está sob custódia americana, de acordo com informações da agência Reuters.

O cidadão sírio-venezuelano de 56 anos respondeu às acusações em postagem no Twitter, na qual desafiou autoridades americanas a registrarem sua acusação na Organização das Nações Unidas (ONU).

Escreveu: “O Departamento de Justiça americano me acusa de narcoterrorismo. Paguem pelo meu bilhete de ida e volta aos Estados Unidos, despesas pagas, e apresentem sua acusação sob tutela da ONU. Se não, chega de calúnias.”

 

O ex-político venezuelano Adel El Zebayar responde às acusações dos Estados Unidos

O Ministro de Relações Exteriores da Venezuela Jorge Arraza compartilhou em seu Twitter mensagem de apoio, corroborada pelo presidente Nicolás Maduro, a Zebayar, em protesto oficial ao que classificou como “acusações fantasiosas e infames”, então apresentadas pelos promotores americanos.

LEIA: Presidente da Venezuela promete realizar visita histórica ao Irã

Categorias
Ásia & AméricasEstados UnidosLíbanoNotíciaOriente MédioSíriaVenezuela
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments